1. Usuário
Assine o Estadão
assine


'Todas nossas fichas estão nas mãos do Supremo' diz Aécio sobre CPI

Carla Araújo e Pedro Venceslau - Agência Estado

10 Abril 2014 | 16h 30

Para pré-candidato à Presidência, Renan Calheiros 'escreve uma das mais tristes páginas na historia da nossa instituição' ao aceitar comissão que investiga também escândalos em SP e PE

São Paulo - O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), pré-candidato a presidente da República, criticou nesta quinta-feira, 10, a atitude do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (AL), que decidiu pela ampliação da comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar, além da Petrobrás, o cartel do metrô em São Paulo e Brasília e suspeitas na obra do Porto de Suape (PE).

Para Aécio, essa CPI ampliada "não vai investigar absolutamente nada, muito menos a Petrobrás". Mesmo assim, o tucano afirmou que permanecerá na comissão, "pelo menos até um segundo momento". "Num segundo momento, pode-se pensar em fazer um ato de protesto, mas, nesse momento, todas as nossas fichas estão nas mãos do Supremo", disse.

O foco da base aliada, que propôs essa investigação, é o PSDB de Aécio e o PSB do pré-candidato a presidente Eduardo Campos. "Para atender ao governo, que é quem manda no Congresso Nacional, o presidente Renan Calheiros escreve uma das mais tristes páginas na historia da nossa instituição", disse o presidente nacional do PSDB e senador.

De acordo com Aécio, a expectativa da oposição agora é de um posicionamento favorável do Supremo Tribunal Federal (STF). "Estamos dependendo de uma liminar, que é o que aguardamos da ministra Rosa Weber, que é a relatora do processo", disse. Na terça-feira, 8, um grupo de parlamentares da oposição protocolou pedido de mandado de segurança no STF para tentar garantir a instalação da CPI da Petrobrás.