1. Usuário
Assine o Estadão
assine


'The Economist' chama Aécio e Campos de 'governadores de sucesso'

Fernando Nakagawa - O Estado de S.Paulo

08 Maio 2014 | 14h 45

Reportagem publicada pela revista britânica destaca também que Dilma perdeu vantagem sobre concorrentes nas pesquisas que ela tem liderado

LONDRES - A revista britânica The Economist publicou reportagem sobre os concorrentes da presidente Dilma Rousseff nas eleições deste ano na edição desta semana. A publicação tem tom bastante elogioso às candidaturas de Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) e chama atenção para o fato de que os nomes da oposição diminuíram a distância para a líder Dilma Rousseff nas últimas pesquisas. Apesar de ter sofrido queda de popularidade e cair no índice de intenção de voto, Dilma ainda assim lidera as pesquisas eleitorais.

"Ambos tiveram passagens pelo Congresso e em seguida tornaram-se governadores de sucesso", diz a reportagem da revista que já fez críticas duras ao governo Dilma em outras edições e que chegou até a pedir demissão do ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Sobre Aécio, a publicação diz que o tucano "transformou Minas Gerais de um caso perdido em um dos Estados mais bem administrados do País". Sem citar números, a Economist chama atenção para o "choque de gestão" do governo Aécio realizado por "uma equipe de tecnocratas competentes" e que teve redução de gastos, aumento da receita e metas de desempenho no governo. "A pobreza caiu mais rápido do que no restante do Brasil e o Estado possui agora alunos com o melhor desempenho do País".

Sobre Eduardo Campos, a reportagem diz que o ex-governador do PSB também apresentou "resultados igualmente impressionantes de 2007 até o mês passado, quando deixou o cargo para se concentrar na candidatura". Cita ainda que a aliança com Marina Silva pode dar votos dos mais ricos do sul do Brasil e de evangélicos ao ex-governador. A revista menciona também que Campos contaria com o apoio da família controladora do Itaú, os Setúbal.

O tom elogioso continua com a lembrança de que o setor privado gosta dos dois candidatos. "Empresários e banqueiros saem ronronando de encontros com os dois homens", diz a reportagem, que cita que Aécio e Campos demonstram a intenção de oferecer independência ao Banco Central, reformar o sistema tributário e reduzir o número de ministérios, além de maior esforço para atrair capital privado para investir em infraestrutura. A reportagem também cita positivamente os economistas ligados aos dois candidatos.

Apesar do tom favorável aos opositores, a The Economist reconhece que Dilma Rousseff ainda é líder nas pesquisas e conta com trunfos importantes, como o desemprego baixo e renda em expansão. Além disso, a presidente da República contará com mais tempo de televisão no horário eleitoral gratuito.