1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato

Testemunhas indicam que consórcio informal fez obras em sítio de Atibaia, diz jornal

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 15h 42

Reportagem revelou que uma das empresas seria a do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente

SÃO PAULO - Testemunhas relataram ao Ministério Público de São Paulo que uma espécie de consórcio informal composto por empresas de amigos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva financiaram a reforma no sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, que era frequentado pelo petista e a família dele.

As informações sobre os relatos dessas testemunhas à Promotoria foram publicadas na edição desta quinta-feira, 4, do jornal Folha de S. Paulo. Segundo a reportagem, pelo menos três empresas teriam participado das obras no imóvel: a do pecuarista José Carlos Bumlai, dono da Usina São Fernando, a OAS e a Odebrecht. As três são investigadas pela Operação Lava Jato. 

A entrada da chácara Santa Bárbara, em Atibaia, usada pelo ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva

A entrada da chácara Santa Bárbara, em Atibaia, usada pelo ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva

As testemunhas relataram ainda que a usina dirigida por Bumlai teria contratado os serviços do arquiteto Igenes dos Santos Irigaray Neto para iniciar a reforma no sítio. Ainda de acordo com os relatos colhidos pelo Ministério Público, a empresa de Bumlai também teria bancado a mão de obra para construir uma casa anexa ao sítio, com quatro suítes, ao preço de R$ 40 mil. 

A reportagem revelou ainda que Marisa Letícia, mulher de Lula, teria ainda chamado uma "empresa de verdade" para acelerar as obras do sítio. Tal empresa teria sido a Odebrecht, segundo testemunhas ouvidas pelo Ministério Público. 

O sítio, com cerca de 173 metros quadrados, é propriedade de Jonas Leite Suassuna Filho e Fernando Bittar, sócios de um dos filhos de Lula. 

Bumlai, que está preso desde novembro, é amigo de Lula e confessou na Justiça ter repassado ao PT R$ 12 milhões oriundos de um empréstimo feito junto ao Banco Schain. O banco foi recompensado com um contrato de R$ 1,6 bilhão na Petrobrás. Marcelo Odebrecht também está preso sob acusação de estar envolvido no esquema de pagamento de desvio de dinheiro da Petrobrás. 

O Instituto Lula não comentou as informações publicadas pelo jornal.

http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX