1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Tenho a consciência tranquila', diz Dilma a jornal chileno sobre impeachment

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 10h 54

Em entrevista ao El Mercurio sobre impacto da articulação por seu afastamento do cargo, presidente afirma não haver casos de corrupção que a envolvam

A presidente Dilma Rousseff
A presidente Dilma Rousseff

SANTIAGO - A presidente Dilma Rousseff faz nesta sexta-feira, 26, uma visita oficial ao Chile com foco em economia. Questionada pelo jornal chileno El Mercurio sobre o impacto dos apelos por um impeachment sobre sua gestão, ela disse que não há casos de corrupção que a envolvam e isso inviabiliza um julgamento político que a afaste do poder. "Tenho a consciência tranquila de que não cometi nenhum delito. Independentemente das tentativas de setores da oposição de distanciar-me da Presidência por meios ilegítimos e ilegais, seguirei cumprindo o que me ordena a Constituição", afirmou Dilma em entrevista de uma página publicada na edição desta sexta-feira.

Diante de um meio estrangeiro, ela sentiu-se à vontade para defender o ajuste fiscal criticado por boa parte de sua base política. Destacou que foram cortados R$ 134 bilhões em 2015 e projetou outros R$ 23,4 bilhões este ano. É incerta a presença da presidente na noite deste sábado na festa de 36 anos do PT, que pretende apresentar um plano para que ela mude a política econômica. Formalmente, sua ausência na celebração petista poderia ser creditada justamente à viagem ao Chile, confirmada na terça-feira e organizada com uma pressa incomum para uma visita oficial.

A presidente sugere em suas respostas ao jornal chileno que a fase de maior pressão já passou, ao elogiar "setores da oposição que vinham apostando na ideia do 'quanto pior, melhor' e demonstraram maior disposição para o diálogo". Também procura colocar como prioridade a reforma da Previdência Social e aponta como principal desafio fazer o Brasil voltar a crescer. Dilma faz planos de entregar o poder em três anos de um País "mais educado, democrático e participativo".

Em sua agenda com Michelle Bachelet, com quem se reúne no Palacio de La Moneda, nesta sexta-feira, estão corredores bioceânicos, uma prioridade brasileira, e uma aproximação entre os blocos Mercosul e Aliança do Pacífico, tema sobre o qual o Chile faz pressão. O Brasil é o principal destino dos investimentos chilenos no exterior - são cerca de 150 empresas, que ocupam principalmente a área de serviços. O Chile é o segundo foco das exportações brasileiras na América Latina. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX