1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Temos um País com muita corrupção, mas ela vem de longe', diz ministro

Gilberto Carvalho diz, em programa de rádio, haver casos de desvios no governo, mas que gestão petista está 'passando o País a limpo'

BRASÍLIA - O secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse nesta quarta-feira, 21, que a corrupção "vem de longe" e que ela era "colocada na gaveta" quando o País ainda não era presidido pelo PT.

"Essa impressão de que temos um País corrupto hoje não é real. Temos sim um País com muita corrupção, mas essa corrupção vem de longe, não a inventamos. Essa corrupção era colocada na gaveta", afirmou, emendando: "Nós tínhamos um engavetador-geral da República (e não um procurador-geral da República). Por quê o processo de reeleição do Fernando Henrique Cardoso, comprado como nós sabemos, nunca foi julgado?"

O ministro avaliou que o aumento dos casos de corrupção de políticos refletiu a liberdade dada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela presidente Dilma Rousseff à Polícia Federal, à Controladoria-Geral da União e ao Ministério Público Federal. "O que estamos fazendo é passar a limpo este País e tudo o que acontece vem à tona. Quanta CPI tivemos neste governo que não tínhamos no passado? É claro, passa-se a impressão de que a corrupção está dominando, mas o que está dominando é o espírito de não conviver com a corrupção", disse o ministro, que hoje foi o entrevistado do programa 'Bom Dia, Ministro', da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

CPI da Petrobrás. A oposição tem usado a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobrás para atingir o governo Dilma Rousseff. A avaliação é do ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, que reforçou nesta quarta-feira, 21, as declarações dadas nessa terça-feira pelo ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli, em depoimento na CPI do Senado.

"No caso da Petrobrás há uma exploração política enorme, a partir do caso da compra daquela refinaria de Pasadena, que são questões que podem vir à tona, que o Ministério Público está trabalhando, que já tem uma CPI e pode ser que a gente venha a ter duas. Nós não temos medo de CPI, porque se houve algum erro ele vai ser punido", disse.

Carvalho afirmou também que a maior notoriedade dos casos de corrupção no País, a partir da gestão do PT, se deve ao fato de o governo estar "passando a limpo" o que estava "na gaveta".