Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Temer pretende separar Ministério do Trabalho e Previdência Social em eventual governo

Solidariedade deve assumir Trabalho; PRB ou PSD podem ficar com Previdência Social

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2016 | 19h45

Brasília - O vice-presidente Michel Temer pretende separar o atual Ministério do Trabalho e Previdência Social em duas Pastas, em seu eventual governo, caso a presidente Dilma Rousseff seja afastada. De acordo com interlocutores do peemedebista, Temer entende que a Previdência Social é uma Pasta "muito importante" para estar agregada a outra área.

Na visão do vice, a divisão também facilitaria a possível reforma previdenciária. Além disso, a divisão abriria espaço para contemplar mais partidos no futuro governo. O Ministério do Trabalho poderia ir para o Solidariedade e a Previdência Social, para o PRB ou PSD.

A cúpula do Solidariedade, que é ligada à Força Sindical, já trabalha com dois nomes para a Pasta: os deputados Zé Silva (MG) e Augusto Coutinho (PE). O presidente da sigla, deputado Paulinho da Força (SP), não tem interesse em ocupar o cargo.

Já o comando da Previdência Social ainda estaria mais incerto. Emissários de Temer ofereceram o comando da Pasta para o PRB, em troca de o partido desistir da ideia de exigir o Ministério da Agricultura para se manter na base aliada.

No entanto, como mostrou nesta quinta-feira o Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, o presidente do PRB, Marcos Pereira, recusou a oferta. Alegou que a Pasta traria desgaste, em razão da reforma da Previdência que Temer já sinalizou que pretende fazer.

Outro nome cotado é o de Roberto Brant, ligado ao PSD. Ex-ministro da Previdência Social do governo Fernando Henrique Cardoso, Brant ajudou Temer a coordenar o programa para a área.

Fusão. Os ministérios do Trabalho e Previdência Social foram fundidos em outubro, durante reforma ministerial feita pela presidente Dilma Rousseff. Até então, eram duas Pastas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.