1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Temer é reconduzido à presidência do PMDB com 96% dos votos

- Atualizado: 12 Março 2016 | 18h 29

Durante a convenção, vice-presidente ouviu apelos de 'Brasil pra frente, Temer presidente'

O vice-presidente da República, Michel Temer, foi reconduzido à presidência nacional do PMDB com 537 votos (96% do total de 559 votos). Ao todo, 11 votaram não, seis votaram em branco e cinco votos foram nulos.

Em meio a apelos para que o PMDB desembarque do governo da presidente Dilma Rousseff, e gritos de “Brasil pra frente, Temer presidente”, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), defendeu neste sábado, durante a convenção nacional do partido, a unidade da legenda para “resgatar os valores da República e reencontrar a via do crescimento econômico e do desenvolvimento social”.

Michel Temer continua sendo o presidente do PMDB

Michel Temer continua sendo o presidente do PMDB

“O nosso PMDB sempre teve diversidades internas, mas converge em todas as ocasiões em que é preciso cuidar do País”, afirmou. Sem fazer críticas à administração petista, mas também sem mencionar a possibilidade de rompimento, Temer disse que “não é hora de dividir os brasileiros, de acirrar os ânimos, levantar muros”. “A hora é de construir pontes e é o que o PMDB está e estará fazendo”, afirmou o vice-presidente.

Em menos de dez minutos de fala, Temer disse não ser possível ignorar as crises política e econômica, que ele chamou de “gravíssimas”. “O quadro recessivo, o desemprego crecente, a carestia são realidades que precisam ser combatidas”, afirmou, salientando que o PMDB tem oferecido propostas como a “Agenda Brasil” e o “Uma Ponte para o futuro”, apelidado de “Agenda Temer”. O vice-presidente afirmou que, em breve, o partido apresentará a já chamada “Agenda Temer 2”, com propostas na área social.

A convenção do foi marcada por uma série de discursos e moções que pediam o rompimento com o governo. Uma “Carta de Brasília” foi lida pelos oposicionistas. O documento pede o desembarque imediato, mas a cúpula do partido decidiu que a decisão oficial será tomada em 30 dias. Governistas pressionaram para que o “aviso prévio” fosse maior. O ministro do Turismo, Henrique Alves, queria 60 dias, segundo o Estado apurou.

Apenas a ala contrária ao governo discursou. Governistas como o ministro da Saúde, Marcelo Castro, e o deputado Mauro Lopes (MG), cotado para assumir a Secretaria de Aviação Civil nesta semana, foram convidados a falar pelo oposicionista Geddel Vieira Lima (BA), mas recusaram.

A plateia era formada majoritariamente por críticos da presidente Dilma Rosuseff e apoiadores do vice-presidente da República, Michel Temer. Os militantes gritavam “fora, Dilma” e “saída, já”, inscrição que estava em adesivos afixados à roupa de parlamentares como a senadora Marta Suplicy (SP). Apenas uma mulher pediu a saída do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), gritando “fora, Cunha”.

A “Carta de Brasília” foi elaborada por deputados federais e senadores como Romero Jucá (RR). O senador Valdir Raupp (RO) já se disse favorável ao desembarque. O grupo ainda tenta convencer apoiadores do governo, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), a apoiar abertamente o desembarque.

No documento, os peemedebistas dizem que “demônios” exorcizados da sociedade brasileira voltaram ao País, como a inflação e o desemprego. “Na base de tudo está uma condução desastrada do País, sem rumo e sem esperanças de melhora para a sociedade”. O documento chama o governo atual de “inchado” e “desacreditado”.

“Diante de tal quadro, o PMDB não pode ficar de braços cruzados. É hora de nos posicionarmos, claramente, ao lado da sociedade e dos mais altos interesses nacionais”.

Convenção do PMDB
André Dusek/Estadão
Convenção do PMDB

A convenção do PMDB reuniu, neste sábado, alguns dos principais nomes do partido. A cerimônia reconduziu o vice-presidente da República Michel Temer à presidência nacional do partido LEIA MAIS

O PMDB tem atualmente, além da Vice-Presidência, seis ministérios – Saúde, Ciência e Tecnologia, Minas e Energia, Agricultura, Turismo e Portos. Na próxima semana, deve receber também a Secretaria de Aviação Civil, oferecida à bancada de Minas Gerais em troca de apoio à recondução do governista Leonardo Picciani (RJ) à liderança do partido na Casa.

Na carta, a ocupação de pastas é alvo de crítica. “Considerando a manifesta insatisfação dos filiados com a participação do PMDB nacional nos quadros do governo federal, traduzindo a idêntica perplexidade popular ante a ausência absoluta de perspectivas para o futuro.

Se o desembarque se confirmar, os ministros serão orientados a deixar as respectivas pastas. A ala oposicionista acredita que os focos de resistência serão pontuais, pois a maioria aceitará abrir mão do cargo tendo em vista a perspectiva de que Temer assuma a Presidência, caso Dilma seja derrotada no processo de impeachment no Congresso. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX