Temer e Garotinho querem o PMDB contra Lula em 2006

O PMDB quer entregar os cargos no governo, ir para a oposição agora e lançar candidato à Presidência da República em 2006, disse o presidente do partido, Michel Temer. "Ter cargo no governo significa impedir que tenhamos candidatura própria em 2006", afirmou Temer no programa de rádio "Encontro Marcado com Garotinho", do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, da Rádio Carioca, retransmitido para diversos Estados do Brasil. Temer pediu no ar que todos os delegados compareçam à convenção do PMDB no dia 12, em Brasília, que vai decidir se o partido toma esse rumo ou permanece apoiando o governo Lula. Mas já considera a saída do governo inevitável. De acordo com Temer, a decisão receberá o apoio todos os 55 convencionais do Estado de São Paulo e dos delegados de "Santa Catarina, Paraná, Pernambuco, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e dezenas de Estados brasileiros". Garotinho disse que todos os votos dos convencionais do Rio, que também são 55, vão ser pela independência em relação ao governo federal e por candidatura própria nas próximas eleições. Garotinho é presidente do PMDB fluminense. Garotinho e seus colaboradores no programa criticaram o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que defende a permanência do partido no governo.

Agencia Estado,

04 Dezembro 2004 | 13h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.