Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Temer diz que 'todos farão o possível' para Congresso votar projetos importantes

Preocupa o núcleo duro do Palácio do Planalto a possibilidade de o agravamento das denúncias contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atrasar ainda mais o cronograma da tramitação de medidas essenciais para o ajuste fiscal

ISADORA PERON, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2015 | 20h18

Brasília - O vice-presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira, 19, que "todos farão o possível" para colocar em votação no Congresso projetos importantes para o governo, como o da repatriação e o da manutenção da Desvinculação de Receitas da União (DRU).

Presidente em exercício, já que Dilma Rousseff está em viagem fora do País, Temer conversou com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Joaquim Levy (Fazenda).

Preocupa o núcleo duro do Palácio do Planalto a possibilidade de o agravamento das denúncias contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atrasar ainda mais o cronograma da tramitação de medidas essenciais para o ajuste fiscal.

"Nós temos dito que todos farão o possível para votar o mais rapidamente estas matérias", disse o vice.

Questionado se a situação de Cunha iria paralisar a votação desses projetos na Câmara, Temer limitou-se a dizer que era preciso "aguardar" para ver o que vai acontecer. Na semana passada, o vice ouviu do presidente da Câmara que ele iria ajudar no andamento de matérias como a DRU, que dá mais liberdade para o governo manejar os recursos do Orçamento.

Levy. Após o encontro com o ministro da Fazenda, Temer classificou como "boatos" as notícias que surgiram na sexta-feira passada, de que Levy deixaria o cargo.

Naquele dia, Levy teve uma reunião com Dilma no Palácio da Alvorada e com outros ministros. A auxiliares, ele não escondeu o seu descontentamento por ter virado alvo de críticas do PT e, especialmente, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer Congresso DRU repatriação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.