Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Temer diz que Executivo 'governa junto' com Legislativo

Presidente também elogiou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na inauguração de uma fábrica de etanol no interior do Mato Grosso

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2017 | 14h03

LUCAS DO RIO VERDE - Em sua primeira viagem ao Mato Grosso desde que assumiu o Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira, 11, que o diálogo é uma das marcas do seu governo e que governa junto com o Congresso Nacional.

"É o fio condutor do nosso governo. Falo do diálogo com o Congresso Nacional e com a sociedade. E no meu governo, o diálogo com o Congresso Nacional é que permitiu que fizéssemos o que fizemos, na convicção mais absoluta de que no sistema presidencialista o Legislativo não é apêndice do Poder Executivo, mas alguém que governa junto", disse o presidente.

A declaração do presidente se dá em um contexto de negociações com deputados pela aprovação da reforma da Previdência, em que o Centrão pressiona por mais cargos e punição a infieis que votaram a favor da denúncia contra o presidente.

Temer participou da inauguração da usina de etanol de milho da FS Bioenergia, a primeira usina brasileira de etanol que utiliza milho em 100% de sua produção.

"Essa usina de etanol está em sintonia com o acordo de Paris. Isso é fruto da coragem, empenho e criatividade dos produtores brasileiros", comentou o presidente.

A FS Bioenergia - joint venture entre a Fiagril Participações, do Brasil, e a Summit Agricultural Group, dos Estados Unidos - investiu cerca de R$ 450 milhões na usina, cuja capacidade inicial prevista é da ordem de 240 milhões de litros de etanol por ano.

O presidente chegou à solenidade acompanhado do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB) e do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

"Tive muita sabedoria ao assumir governo em chamar Blairo para a Agricultura, com convicção de que era preciso alguém que conhece a área com profundidade. Amanhã fazemos 15 meses de governo e Blairo fez o que não se fez em 15 anos neste País", disse Temer.

"Saio com alma incendiada, dizendo que o Brasil tem jeito com o exemplo de Lucas do Rio Verde. Falo da animação de sair da sala e conhecer o Brasil real. A realidade da sala de despachos, às vezes, não é consoante com o que vemos no Brasil. Tenho honra de ser presidente, não pelo cargo, mas pelo que fizemos em 15 meses de governo. O teto dos gastos públicos foi fundamental para nossas finanças. O País estava em uma das piores recessões dos últimos tempos", prosseguiu.

Iniciativa privada. Segundo o presidente, o Planalto vê o "empresário que auxilia o governo federal". "Vamos conceder serviços desta região à iniciativa privada", disse, ao reconhecer que o poder público sozinho "não pode fazer tudo".

Antes de inaugurar a usina, Temer participou da abertura da colheita do algodão. "O agronegócio e a agricultura é que garantiram o PIB", disse o presidente, que se lembrou dos tempos de infância. "Meu pai plantava algodão. Eu me deliciava com sua brancura, pois me permitiria estudar", recordou. (Rafael Moraes Moura, enviado especial)L

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.