Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Temer deve fazer pronunciamento às 16h

Além de Eliseu Padilha e Moreira Franco, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia estão com o presidente e seguem discutindo a situação do governo

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2017 | 13h10

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer, que esteve reunido com seus auxiliares desde as 9h da manhã em seu gabinete, fez um pronunciamento às 16h e assegurou que não renunciará ao cargo. Ele disse, ainda, que não comprou o silêncio de ninguém e que sempre honrou o nome. Temer não conseguiu cumprir a extensa agenda que tinha se proposto para esta quinta-feira em que desejava aparentar “normalidade” e com os desdobramentos da Operação Patmos, com base na delação de Joesley Batista, da JBS, avalia com seus auxiliares como vai responder.

O gabinete presidencial está viveu um “entra e sai” de ministros e aliados. Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, estiveram com o presidente e seguem discutindo a situação do governo. O presidente justificou a demora em se pronunciar, pois disse que estava esperando os áudios do empresário que “até o momento não consegui”. “Ressalto que só falo agora dos fatos de ontem porque tentei conhecer primeiramente o conteúdo de gravações que me citam. Solicitei oficialmente ao supremo tribunal federal acesso a estes documentos. Até o presente momento não consegui”, disse.  

O presidente disse ainda que exige investigação “plena e muito rápida para esclarecimentos ao povo brasileiro”. “Não podem tardar as investigações”. “Esta situação não pode persistir por muito tempo. Não podem tardar as investigações. Tanto esforço e dificuldades superadas. Meu único compromisso é com o Brasil. Só este compromisso que me guiará”, finalizou.

Segundo aliados, a situação é “deliciada” e está “difícil encontrar uma saída para o governo”. Apesar disso, Temer tem dito que está firme e que tem as explicações. “O momento é de aguardar”, disse uma fonte.

Interlocutores lembram que Maia e, além de o sucessor de Temer em caso de renúncia, o responsável por dar andamento aos processos de impeachment que estão sendo protocolados. No Planalto, a avaliação - apesar de admitirem que a base aliada esta em dispersão  - é de que Maia ainda é um aliado de Temer.

Imbassahy, que é do PSDB, esteve com Temer de manhã, mas segundo fontes deixou o Planalto para se reunir com parlamentares da legenda, já que o presidente da sigla Aécio Neves também está no centro da crise causada pela delação de Joesley.

O clima no Planalto segue “pesado” e de “muita incertezas”. Auxiliares admitem que se realmente dor verdade a gravação do presidente Temer com o executivo “o governo acabou”. No inicio da manhã, a palavra renuncia estava sendo evitada, mas nos corredores já era admita. Há pouco uma fonte afirmou que “a pressão pela renuncia só cresce”.

Justificativa. Segundo fontes, ontem ao saber que havia sido gravado dizendo ao empresário que “tem que manter isso, viu” em referencia a uma ajuda pelo suposto silêncio de Eduardo Cunha, Temer justificou dizendo que na conversa Joesley afirmou que a família de Cunha estava passando por problemas.

Segundo um aliado de Temer, o empresário da JBS começou a conversa com o presidente falando de problemas pessoais e da empresa e em seguida relatou que Cunha estava também em dificuldades e que, por isso, decidiu o ajudar. Ai então, Temer justificou: “tem que manter isso, viu”. (Carla Araújo e Tania Monteiro)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.