1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Temer defende Lava Jato, mas diz que investigações não podem paralisar o País

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 13h 07

Vice-presidente, que está em Curitiba em visita ao diretório estadual do PMDB, afirmou que a operação é prova de que instituições estão funcionando

CURITIBA - O vice-presidente Michel Temer defendeu nesta quinta-feira, 28, em Curitiba, as investigações da Operação Lava Jato. O vice ponderou, no entanto, que a força-tarefa não paralise o País.

“A Operação Lava Jato é uma prova que nossas instituições estão funcionando. É uma questão do Judiciário e temos que esperar a apuração dos eventos. Mas é importante que as investigações não paralisem o País”, respondeu Temer ao ser questionado sobre as denúncias de corrupção levantadas contra setores do governo federal, inclusive contra peemedebistas.

O vice-presidente Michel Temer

O vice-presidente Michel Temer

Em campanha para reeleição à presidência do PMDB, o vice iniciou nesta quinta, pela capital paranaense, uma série de visitas que fará aos diretórios estaduais do partido para costurar apoios à sua recondução ao comando da sigla. Como principal discurso para convencer os peemedebistas de sua recondução, Temer traz a proposta de lançar o máximo de candidaturas próprias nas eleições municipais deste ano para construir um candidato próprio à Presidência da República em 2018.

“As eleições de 2018, passam pela disputa de 2016”, disse. Em meio à grave crise política enfrentada pelo Planalto, o vice-presidente evitou falar sobre seu suposto rompimento com a presidente Dilma. “O momento é de buscar a unidade em todo o País. Estamos propondo uma pacificação nacional. Acredito que a presidente Dilma deve buscar o mesmo com a reunião do conselho que está sendo realizada hoje”, afirmou.

Para os militantes, Temer usou a emblemática expressão “quem manda no PMDB é o PMDB”, para explicar a continuidade da aliança com o governo do PT. “O PMDB sempre foi um partido construído pela base e estamos provando isso neste momento”, declara Temer.

O peemedebista enfrenta uma ameaça de rebelião dentro do partido e várias lideranças afirmam que não vão apoiá-lo para um novo mandato como presidente da sigla na convenção nacional, marcada para março. No Paraná, no entanto, Temer recebeu o apoio unânime dos peemedebistas. O senador Roberto Requião, presidente da legenda no Estado, diz não ter dúvidas. “O Paraná está fechado com o Temer”, afirma.

Depois de Curitiba, o vice-presidente seguiu para Florianópolis.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX