1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Temer articula peemedebistas para lançar candidato próprio à presidência em 2018

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 20h 40

O vice-presidente esteve em Florianópolis em agenda ligada à campanha pela sua reeleição ao comando do PMDB

FLORIANÓPOLIS - O vice-presidente da República, Michel Temer foi recebido nesta quinta-feira, 28, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em Florianópolis, por aproximadamente trinta lideranças peemedebistas. Sua visita integra a agenda chamada de Caravana da Unidade. O político esteve no Paraná e vai à Paraíba na tentativa de costurar a união do partido. Fortalecido, o PMDB pretende concorrer sozinho à presidência em 2018. “Temos extraordinário poder político. Maioria de governadores, prefeitos, vereadores, presidência da Câmara e do Senado. Está na hora do PMDB expor as suas intenções políticas”, disse Temer.

O vice- presidente comentou que Santa Catarina tem um “campo fértil” de apoio à sigla. Ele foi recebido pelo presidente do PMDB no Estado, o deputado federal Mauro Mariani e os vices, senador Dário Berger e deputado estadual Valdir Cobalchini. Também estiveram presentes dois fortes aliados, os ex-ministros Eliseu Padilha e Wellington Moreira Franco. Do governo catarinense participaram a Secretária da Justiça e Cidadania, Ada De Luca e o vice-governador Eduardo Pinho Moreira, que veio de Lages (a 226 km de Florianópolis) especialmente para a ocasião.

O vice-presidente da República, Michel Temer 

O vice-presidente da República, Michel Temer 

Temer se comprometeu em garantir a governabilidade de Dilma Rousseff e em colocar os interesses do País acima dos interesses pessoais ou partidários. Entretanto, se ausentou da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico, o Conselhão, que reuniu ministros, secretários e a sociedade civil em Brasília para discutir estratégias de combate à crise. “Minha presença é dispensável”, disse Temer. “Nossa crise é mais institucional e o PMDB garante a governabilidade do Brasil. Temos participações importantes, desde a Constituição até em programas sociais, como o Minha Casa, Minha Vida, que não seria possível sem o nosso apoio”, complementou.

Como campanha presidencial, antecipou que será utilizada a promessa de saída da crise. Outro projeto, que já está em andamento, é o reforço da autonomia dos municípios brasileiros.

Mesmo com a morte do principal líder, o senador Luiz Henrique da Silveira, o PMDB continua sendo o partido mais forte de Santa Catarina. O deputado Valdir Cobalchini coordena o projeto das eleições de 2016 e percorreu ao lado de outras lideranças mais de 240 municípios em sete meses. Também coordenou a Jornada da Unidade, que promoveu 20 encontros regionais com as bases.

Como saldo, o PMDB garantiu a maior mobilização em ano não eleitoral, somou mais de 15 mil novos filiados e aposta em pelo menos 250 candidaturas a prefeitos neste ano. O partido mobilizou mais de 20 mil peemedebistas, no final de 2015, com a realização das convenções municipais e lançou o primeiro aplicativo digital de participação social no Estado, o QuinZapp.

Após comparecer à Assembleia, Temer seguiu para a Fiesc (Federação das indústrias do Estado de Santa Catarina). O peemedebista apresentou aos empresários o plano Ponte para o Futuro, que faz críticas à elevação de tributos e analisa questões econômicas relacionadas a juros, ajuste fiscal e Previdência.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX