1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Defesa de Temer no TSE critica PSDB e diz que não se pode 'demonizar' doações

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 07h 59

Foco da peça, que está sob sigilo, é desconstruir a argumentação usada pelo PSDB para propor a ação de impugnação de mandato de Dilma e do peemedebista

O vice-presidente Michel Temer

O vice-presidente Michel Temer

BRASÍLIA - A defesa do vice-presidente Michel Temer encaminhou na noite de quarta-feira, 10, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) defesa na qual busca desqualificar os argumentos do PSDB e acusa a oposição de querer “demonizar” doações legais de campanha. O documento é uma resposta formal à uma das quatro ações dos tucanos na Justiça Eleitoral que pedem a cassação da chapa formada pelo peemedebista e pela presidente Dilma Rousseff, reeleita em 2014.

Na peça, os advogados de Temer tentam desconstruir o argumento do PSDB de que houve abuso de poder na campanha presidencial de 2014 e de que a dupla teria sido beneficiada por dinheiro desviado pelo esquema de corrupção na Petrobrás, investigado pela Operação Lava Jato. O documento fala em “mero inconformismo com o resultado eleitoral”. 

Para Temer, os argumentos apresentados pelos tucanos consistem em “um sem-número de ilações decorrentes muito mais da derrota eleitoral do que propriamente uma preocupação legítima com a moralidade do pleito”. O texto afirma ainda que as ações não têm “fundamento jurídico” e não demonstram “quaisquer ilegalidades apuráveis na esfera do direito civil-eleitoral”.

A defesa do peemedebista ressaltou que o PSDB também se beneficiou de doações feitas por empresas investigadas no esquema de corrupção na Petrobrás. Na peça, os advogados do vice-presidente apontam ainda que as empresas citadas na Lava Jato doaram R$ 40 milhões à campanha do tucano Aécio Neves em 2014. 

“O partido-autor (PSDB) foi agraciado com vultosas quantias das mesmas empresas, logo, não há mau uso da autoridade governamental pelos representados (Dilma e Temer).” 

Em outro trecho, os advogados questionam se as doações para o PT e o PMDB tivessem realmente origem na propina da Petrobrás, por que o PSDB receberia doações de construtoras, já que o partido está afastado do comando da empresa desde 2003. “Realmente, o pretenso elo da corrupção não se perfaz”, conclui a defesa. 

Dilma. A defesa da presidente Dilma Rousseff, que vai seguir a mesma linha da do vice, deve ser entregue até 18 de fevereiro, quinta-feira que vem, quando o prazo dela se encerra. Após a apresentação das defesas, o processo começa a correr com a juntada de documentos e a produção de provas. As partes podem solicitar a oitiva de testemunhas, por exemplo. 

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a defesa de Dilma vai deixar claro que não há argumentação consistente que ameace o mandato da presidente. 

“A defesa coloca o pingo nos is. A defesa deixa claro que não há nenhum fato, absolutamente nenhum, que possa trazer uma preocupação em relação a uma eventual sanção à presidente Dilma Rousseff”, afirmou José Eduardo Cardozo, após deixar uma reunião ministerial para tratar das ações do governo de combate ao mosquito Aedes aegypti

Em nota, o PSDB afirmou que as ações no TSE em que é autor têm como base fatos que mostram a prática de abuso de poder político e econômico do PT nas eleições de 2014.

“As provas já existentes revelam que o apoio político angariado pela candidata Dilma Rousseff e o pagamento de suas despesas de campanha tiveram origem em dinheiro oriundo de corrupção, o que é suficiente para se concluir que a legitimidade e normalidade das eleições foram afetadas”, afirma o texto divulgado pela legenda. 

Autos. O PSDB chegou a pleitear à Justiça Eleitoral que documentos e depoimentos prestados no âmbito da Operação Lava Jato fossem anexados nos processos que correm contra a chapa de Dilma e Temer. A defesa da petista tenta evitar a inclusão dos depoimentos e delações nos processos em curso sob o argumento de que é preciso revalidar as provas. 

Se o TSE entender que é necessário impugnar o mandato da presidente e de seu vice até o fim deste ano, novas eleições presidenciais poderão ser convocadas. A expectativa dos advogados das partes é de que o processo de produção de provas na ação se arraste pelo menos até o meio do ano.

No caso de derrota na corte eleitoral, os advogados do PT e do PMDB admitem a possibilidade de recorrer ao Supremo Tribunal Federal. / COLABOROU CARLA ARAÚJO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX