1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Temer age para não perder comando do PMDB

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 05h 00

Vice-presidente negocia acordo na disputa pela liderança do partido na Câmara a fim de evitar que processo contamine convenção nacional da legenda, em março

BRASÍLIA - Com a proximidade da Convenção Nacional do PMDB, prevista para março, o vice-presidente Michel Temer desembarcou ontem em Brasília para tentar negociar a pacificação da bancada da legenda na Câmara e evitar que a disputa também contamine o processo para a sua recondução à presidência da legenda.

O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)
O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)

Temer ocupa o posto desde 2001 e sua recondução está ameaçada pelo PMDB do Senado. O presidente da Casa, Renan Calheiros (AL), o líder Eunício Oliveira (CE) e o senador Romero Jucá (RR) pretendem apresentar um nome para presidir o partido na convenção. O vice-presidente tem defendido um entendimento na briga pela liderança da Câmara. “O Michel está acompanhando o processo. Não está interferindo diretamente”, afirmou ao Estado o deputado Osmar Terra (PMDB-RS).

Temer deve se encontrar hoje com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para discutir o assunto. A definição do líder da bancada da legenda, a maior da Câmara com 68 integrantes, deverá ocorrer em fevereiro. O vice-presidente busca o papel de apaziguador da disputa uma vez que ela envolve dois dos Estados com o maior número de convencionais: Minas Gerais e Rio de Janeiro.

‘Harmonia’. “Acho que precisamos de muita harmonia. O ano novo enseja, pelo menos no começo, essa ideia de harmonia absoluta, harmonia no País, harmonia no PMDB, nas bancadas e em todos os locais que precisamos”, disse Temer ontem em Brasília. Questionado sobre como espera que seja sua relação com a presidente Dilma Rousseff neste ano, ele disse: “harmoniosa”.

A posição de Temer neste início de ano sobre a disputa na bancada difere da que ele teve no fim do ano passado, quando se movimentou nos bastidores para substituir o então líder Leonardo Picciani (RJ) – próximo ao Palácio do Planalto e contra o impeachment – pelo deputado Leonardo Quintão (MG), ligado ao grupo favorável ao processo de impeachment.

O deputado mineiro chegou a ocupar o posto por uma semana, mas foi destituído após Picciani conseguir, com ajuda do governo, maioria de assinaturas na bancada. A intervenção de Temer na briga causou desgaste com líderes do PMDB do Rio.

Próximo ao vice-presidente e principal articulador do impeachment, Cunha declarou guerra a Picciani e diz abertamente que, ao contrário da última disputa, votará na eleição do novo líder. Ele quer que o candidato seja um nome de consenso do PMDB mineiro, que tem sete representantes, número menor apenas que a bancada do Rio de Janeiro, com 11 deputados.

Já os peemedebistas fluminenses têm atuado para ajudar Picciani. Aliado do atual líder da bancada, o vereador Átila Nunes (PMDB-RJ) deve tomar posse hoje como deputado federal graças a uma liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. Cunha havia se negado a empossar Nunes. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), nomeou o deputado federal Ezequiel Teixeira (PMB-RJ) secretário de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado, abrindo o caminho para Nunes assumir como suplente na Câmara dos Deputados.

Apesar do posicionamento de Temer pela unidade partidária, a briga pelo comando da legenda na Câmara mantém-se acirrada mesmo durante o recesso parlamentar. Até o momento, a bancada de Minas não consegue chegar a um consenso sobre quem disputará com Picciani. Quintão diz que sua candidatura é “irreversível” e Cardoso Júnior afirma que o colega “queimou a largada”. / COLABORARAM IGOR GADELHA, CARLA ARAÚJO e ISADORA PERON

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX