1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Temer afirma que vai defender aliança com Dilma

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE - Agência Estado

04 Abril 2014 | 16h 33

O PMDB terá um candidato próprio a presidente nas eleições de 2018, afirmou o vice-presidente da República e presidente de honra do partido, Michel Temer, a jornalistas nesta sexta-feira. Na convenção nacional do partido, marcada para 10 de junho, ele afirmou que vai trabalhar para a manutenção da aliança com o governo de Dilma Rousseff.

"Não vejo o PMDB agindo contra o governo. Uma coisa é a relação do PMDB com o PT, a outra coisa é com o governo", disse Temer em Nova York, onde foi fazer duas palestras a investidores. "Eu vou trabalhar na convenção nacional pela aliança, porque acho que é o melhor caminho que temos agora." A aliança do PMDB foi fechada ainda no primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003.

Temer ressaltou que se a convenção eventualmente decidir pelo rompimento com o governo, ele deixa de ser vice-presidente. "Sempre fui obediente às diretrizes do PMDB. Não vou me insurgir contra o partido", afirmou. Temer frisou, porém, que vai trabalhar para o PMDB ter candidato próprio em 2018.

Segundo ele, a ideia é evitar a decepção que ocorreu em eleições passadas com candidatos do partido. O vice-presidente lembrou a candidatura de Ulysses Guimarães, que teve apenas 4% dos votos nacionais em 1989, e de Orestes Quércia, com 3,8% em 1994. Questionado se já existem nomes no partido no páreo para 2018, Temer preferiu não falar em apostas. "Só o tempo vai dizer", disse ele.

Sobre uma reunião de Temer com a bancada do PMDB, marcada para a próxima quarta-feira, 9, o vice-presidente disse que não haverá mais o encontro. O melhor, disse ele, é fazer reuniões com grupos menores de deputados, entre 10 e 12, para ouvir as queixas e as posições de Estados.

Temer foi questionado hoje em palestra sobre as relações de Washington com o Brasil, que azedaram por conta das denúncias de espionagem dos Estados Unidos em empresas e autoridades brasileiras. Temer disse que "se está trabalhando diplomaticamente para uma reaproximação".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo