Teatro do absurdo

PSDB enfraquece Temer e dá Rodrigo Maia de bandeja ao PT

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2017 | 05h00

A brincadeira em Brasília, se é possível fazer alguma brincadeira em meio à tragédia, é que já começou o “fora, Maia” na Austrália e no Japão e que José Dirceu já faz até planos. Em áudio divulgado nas redes sociais, avisa que está “de pé e na luta” e faz uma profecia: “Nós (ele, Lula e o PT) vamos voltar”.

Os tucanos se unem aos petistas para empurrar o presidente Michel Temer ladeira abaixo, mas só o PT tem a lucrar com isso. Os petistas serão os grandes vitoriosos da eventual queda de Temer e vão empurrar Maia rampa acima, mas para liderar o “fora, Maia” no dia seguinte. O momento é de oposição e quem sabe fazer oposição é o PT.

É assim que o ex-presidente Lula vem subindo nas pesquisas, recuperou os seus 30% e está na liderança para 2018 no rastro da desgraça de Temer, das revelações sobre o PMDB e da queda estonteante de Aécio Neves. Palocci e Joesley Batista colaboram, jogando a culpa em Mantega, o mordomo da vez.

Toda a trama se desenrola dentro do cronograma previsto pelos petistas lá atrás, quando já não suportavam Dilma e arregaçavam as mangas para infernizar Temer com os movimentos camaradas. Bem melhor fazer oposição a um presidente impopular do que carregar uma presidente que se revelou um desastre.

Durante meses de fogo cruzado, Temer conseguiu sobreviver basicamente pela falta de um sucessor e pelo pânico de a economia sofrer mais ainda. Agora, na fase do fogo amigo do PSDB, cresce a onda a favor de Maia, mas as incertezas continuam. Temer tem explicações a dar à Justiça, mas Maia foi citado nas delações da Odebrecht e da OAS e está na lista Janot-Fachin.

O remanejamento de equipes da PF em Curitiba significa exatamente o oposto do que se imagina. A Lava Jato não está sendo esvaziada, está evoluindo, porque a investigação dos “sem-mandato” já praticamente se esgotou em Curitiba, onde estão bem adiantados os inquéritos contra Lula e estão presos Marcelo Odebrecht, Léo Pinheiro, Eduardo Cunha, Antonio Palocci e outros menos cotados.

É hora, portanto, de se concentrar nos “com mandato”. A equipe não foi desmobilizada, apenas sai de Curitiba para investigar em Brasília, Rio, Minas, Bahia, Rio Grande do Norte e por aí afora, com foco no “PMDB da Câmara” e aliados. Inclusive Maia?

Conclusão: enquanto Temer for presidente, ele e ministros como Eliseu Padilha e Moreira Franco não vão ter um minuto de sossego. A PF, o Ministério Público e o ministro Edson Fachin estarão a postos, mantendo a pressão, enquanto os juízes de primeira instância “comem pelas bordas”, capturando os sem-mandato (que sobraram) do entorno de Temer.

É assim que o Brasil, pobre Brasil, vive a mesma situação da era Dilma: se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come. Manter Dilma, impopular, paralisada e inepta seria jogar o País e sua economia num buraco cada vez maior. Tirá-la seria, como foi, entregar o poder ao PMDB, que não é flor que se cheire.

A crise e o dilema se repetem. Manter Temer, impopular, investigado e perdendo apoios, é fechar os olhos para os escândalos. Tirá-lo é jogar a economia numa grande incógnita e desviar o foco e as acusações para Rodrigo Maia. Uma festa para o PT.

Porém, não são só Lula e PT que comemoram a aflição de Temer e a eventual chegada de Maia. Na outra ponta, está Jair Bolsonaro, que lembra Donald Trump. Ele era tão absurdo que ninguém dava bola... Se absurdos acontecem até na potência, quanto mais num País afundado numa crise sem fim. Dilma caiu, Temer pode cair, Maia é uma incógnita e 2018 pode nos reservar Lula versus Bolsonaro. Absurdo?

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.