1. Usuário
Assine o Estadão
assine

TCU retoma análise da compra da refinaria de Pasadena

BEATRIZ BULLA - Estadão Conteúdo

27 Agosto 2014 | 15h 25

Do lado de fora do tribunal foram penduradas faixas com o rosto da executiva e o pedido pelo bloqueio patrimonial da presidente da empresa

Marcos de Paula/Estadão
José Jorge irá manter seu voto pedindo que a presidente da empresa e também o ex-diretor Jorge Zelada sejam incluídos no novo processo

O Tribunal de Contas da União (TCU) retomou na tarde desta quarta-feira, 27, a análise do processo sobre a aquisição da refinaria de Pasadena e deve definir se a presidente da Petrobras, Graça Foster, terá seus bens bloqueados. Do lado de fora do tribunal foram penduradas faixas com o rosto da executiva e o pedido pelo bloqueio patrimonial da presidente da empresa. Os cartazes têm os logos da Força Sindical e da União Geral dos Trabalhadores (UGT). "A justiça é cega, mas os trabalhadores, não", diz uma das faixas.

Também foram espalhadas imagens da presidente Dilma Rousseff vestida com um macacão laranja da estatal em que o nome da empresa foi alterado para "PTrobras". Abaixo dos cartazes com a imagem de Dilma, constam os dizeres "caixa 2" e "corrupção". A sessão plenária do tribunal já teve início e, em breve, o caso entrará para julgamento.

Conforme revelado nesta terça-feira pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o ministro relator do caso, José Jorge, deve confirmar aos colegas no plenário que houve doação de bens por parte da presidente da estatal. O ministro não pretende analisar, contudo, se o feito configura tentativa de burla. Conforme reportagem publicado pelo jornal O Globo, Graça e o ex-diretor da área internacional Nestor Cerveró doaram bens após divulgação do caso Pasadena.

José Jorge irá manter seu voto pedindo que a presidente da empresa e também o ex-diretor Jorge Zelada sejam incluídos no novo processo que irá apurar a culpa dos envolvidos por um prejuízo estimado em US$ 792 milhões com a compra da refinaria.

Ele deve pedir que o bloqueio patrimonial já estabelecido para 11 nomes, como Cerveró, Almir Barbassa, José Sérgio Gabrielli e Paulo Roberto Costa seja estendido para a presidente da estatal. Nos bastidores do tribunal, os ministros preveem que José Jorge fique vencido e Graça seja liberada da indisponibilidade de bens.

A decisão já foi adiada duas vezes. Na primeira ocasião, o caso foi suspenso após defesa do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, no plenário. No segundo momento, o relator retirou o processo do julgamento após receber a notícia de que a presidente da estatal havia doado bens. Adams, que reforçou seu périplo pelos gabinetes dos ministros nesta semana, está presente na sessão que decidirá a situação de Graça Foster.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo