1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

TCU cobra explicações sobre acordo de leniência da Engevix

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 09h 23

Em despacho assinado nesta quarta, o ministro Bruno Dantas concedeu um prazo de cinco dias para a Secretaria Executiva da CGU prestar esclarecimentos

Fachada do Tribunal de Contas da União
Fachada do Tribunal de Contas da União

Brasília - O Tribunal de Contas da União (TCU) cobrou explicações à Controladoria Geral da União (CGU) sobre o acordo de leniência firmado com a Engevix, empresa acusada de fazer parte do esquema de corrupção da Petrobras.

Em despacho assinado nesta quarta-feira, 20, o ministro Bruno Dantas concedeu um prazo de cinco dias para a Secretaria Executiva da CGU prestar esclarecimentos. A medida atende a um pedido do procurador Julio Marcelo de Oliveira junto ao TCU.

“(...) encaminhe ao Tribunal informações circunstanciadas sobre as tratativas, cópias das atas de reuniões e de todos os documentos produzidos até o momento, incluindo, se for o caso, cópia integral dos processos administrativos(...)”, diz depacho de Dantas.

Na semana passada, a CGU e a Advocacia Geral da União divulgaram uma nota conjunta para afirmar “ser plenamente alcançável” um entendimento do governo com o TCU. O despacho de Dantas mostra que o caminho não é tão fácil assim.

Há um ano, a Engevix negocia um acordo de leniência com o governo. Basicamente, a empresa propõe colaborar nas investigações sobre os atos de corrupção na Petrobras para, em troca, continuar prestando serviços ao governo e disputando licitações públicas.

Em dezembro do ano passado, a presidente Dilma Rousseff editou uma Medida Provisória específica para alterações na Lei Anti-Corrupção, de 2013, para se permitir acordos entre o governo e empresas investigadas pela Operação Lava Jato.

Apesar de já estar em vigor, essa MP precisa ser aprovada pelo Congresso a fim de que tenha validade de lei. O texto do governo recebeu diversas críticas nos meios jurídico e político.

O Palácio do Planalto argumenta, porém, que a medida é necessária para permitir que as empresas continuem operando e minimizem e não causem mais danos à economia brasileira.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX