Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Supremo decide, a gente obedece', diz Fernando Henrique, sobre julgamento de HC de Lula

Ex-presidente tucano disse que 'somos todos iguais perante a lei'; STF rejeitou na madrugada de quinta-feira, por 6 votos a 5, o habeas corpus do ex-presidente Lula

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 13h50

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou na manhã desta quinta-feira, 5, que decisão do Supremo se obedece, em referência à decisão tomada na madrugada pelos ministros de não conceder o habeas corpus preventivo ao também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo placar apertado de seis a cinco.

++ 'Nos fingimos de espertos e criamos um grave problema', diz Gilmar sobre decisão do Supremo

++ Início da pena de Lula ainda depende de recursos, dizem juristas

"Eu vou dizer uma só coisa, que é o seguinte: Supremo decide, a gente obedece. Eu não opinei nunca sobre essa matéria, porque não é uma matéria pra politico, é pra juristas. Quando tomada a decisão, acata. Quem estiver inconformado: recorre. Nós estamos numa democracia, isso é mais importante que qualquer coisa. E na democracia vale a lei e somos todos iguais perante a lei", disse o tucano depois de relatar sobre se manifestar a respeito.

Fernando Henrique participou hoje de uma homenagem à ex-primeira-dama Ruth Cardoso, com quem foi casado por 55 anos, até sua morte em 2008. A Prefeitura de São Paulo denominou um trecho de 8 km da Marginal dos Pinheiros, antes chamado de Rua Hungria, como Avenida Dra. Ruth Cardoso. 

FHC e os filhos Paulo Henrique e Beatriz receberam como presentes mini réplicas das placas de trânsito instaladas na marginal, numa medida que difere do tratamento dado pelo Município à também ex-primeira-dama Marisa Letícia, mulher de Lula morta em 2016, que passou a dar nome a um viaduto da zona sul em fevereiro deste ano. Na ocasião, no entanto, a inauguração se deu sem a presença do prefeito e os familiares não foram presenteados com placas pela Prefeitura.

Ao ser questionado sobre a diferença no tratamento de homenageados pela cidade, Doria afirmou que ele, como prefeito, brasileiro e cidadão, só faz homenagem a quem merece. "E ponto."

Sobre a decisão do STF, o prefeito afirmou ter se sentido "recompensado", pois a negativa do habeas corpus a Lula se deu no cumprimento da Constituição e atendeu ainda aos "sentimentos dos brasileiros de bem".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.