Henrique Vieira/Agência Minas
Henrique Vieira/Agência Minas

Suplente se diz triste por ter 'afinidade' com Aécio

Elmiro Nascimento (DEM), ex-deputado estadual e ex-prefeito de Patos de Minas, deve ocupar o lugar do senador

Rene Moreira, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2017 | 18h59

Franca - Primeiro suplente e primeiro na lista de suplência para assumir o lugar de Aécio Neves (PSDB) no Senado Federal, o mineiro Elmiro Nascimento (DEM) se diz triste com a situação do titular. Ele alega ainda ter "afinidade" com Aécio e que não gostaria de chegar ao cargo em "uma situação dessas".

Nascimento é ex-deputado estadual e ex-prefeito de Patos de Minas (MG), na região do Triângulo Mineiro. Ele tem 65 anos, já foi deputado estadual e secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais.

Ele será convocado para virar senador assim que o ministro Edson Fachin oficializar o afastamento de Aécio Neves. A convocação de suplente para casos desse tipo está prevista no Regimento Interno do Senado e na Constituição Federal.

Nascimento concedeu entrevista nesta quinta-feira para garantir que ainda não foi comunicado oficialmente sobre a posse. Também aproveitou para elogiar Aécio. "Ele tem um trabalho fantástico na história de Minas Gerais e também do Brasil", falou.

Apesar disso, diz que está pronto para assumir o cargo se for convocado. "Faremos isso, como a própria Constituição determina”, argumentou.

Histórico

Elmiro Nascimento foi indicado para a suplência de Aécio Neves, em 2010, de última hora. O suplente seria o então presidente estadual do DEM, deputado federal Carlos Melles, que desistiu da indicação e apontou Nascimento para o seu lugar.

Ao apresentar sua candidatura como suplente, Nascimento declarou à Justiça Eleitoral bens e dinheiro que somam no total mais de R$ 16 milhões, incluindo, fazendas, casas e gado.

Ele se diz empresário e produtor rural, sendo formado em administração de empresas. Em seu currículo constam ainda já ter ocupado os cargos de diretor financeiro da Companhia Agrícola de Minas Gerais (Camig) e de presidente da Loteria Mineira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.