1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Suíça confirma ter bloqueado dinheiro de João Santana

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 13h 39

'Um montante substancial foi congelado por uma instituição financeira da Suíça', indicou o Ministério Público do país europeu

O marqueteiro João Santana
O marqueteiro João Santana

GENEBRA - O Ministério Público da Suíça confirma que "montante substancial" foi congelado em nome de João Santana em um banco do país. Em um email à reportagem do Estado, a procuradoria suíça indicou que não daria nem o nome do banco e nem os valores congelados. Mas confirmou que o dinheiro está bloqueado. 

"Um montante substancial foi congelado por uma instituição financeira da Suíça", indicou o Ministério Público. "Nenhuma informação suplementar será dada neste momento", completou. 

Os suíços já congelaram mais de 300 contas relativas ao escândalos da Petrobrás e ampliaram as investigações diante de indícios de irregularidades com contas relativas à Odebrecht. No total, mais de US$ 400 milhões haviam sido identificado nos bancos suíços com origem suspeita, o que levou o MP local a admitir que o sistema financeiro havia sido afetado. 

As suspeitas sobre o financiamento de campanhas haviam surgido ainda em meados do ano passado na Suíça. Em agosto, procuradores brasileiros estiveram em Lausanne e informaram aos suíços que estavam em busca de indícios de um suposto pagamento de propinas para a campanha de Dilma Rousseff, em 2010. Eles ainda apuravam indícios de que a rede de pessoas beneficiadas por subornos seria maior do que se conhecia até aquele momento.

Parte do inquérito estava dirigido contra as empresas offshore supostamente criadas pela Odebrecht e com contas na Suíça. Desde então, a construtora passou a atuar nos tribunais suíços para tentar impedir que os extratos e documentos fossem enviados ao Brasil. 

Um dos casos que também passou a ser examinado na Suíça se refere às revelações do ex-diretor da Petrobrás, Pedro Barusco na CPI no primeiro semestre de 2015 sobre um pagamento que teria servido para "reforçar" a campanha eleitoral em 2010. Segundo ele, US$ 300 mil teria sido enviado pela SBM Offshore para o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. "Em 2010, foi solicitado à SBM um patrocínio de campanha, mas não foi dado a eles diretamente. Eu recebi e repassei o dinheiro para a campanha presidencial de 2010, em que disputavam José Serra e Dilma Rousseff", disse. "Foi ao PT, ao João Vaccari", explicou.

Ao Estado, procuradores apontaram que esse de fato havia sido um dos pontos examinados na visita de agosto. O que a investigação tenta determinar é se esse suposto pagamento usou também contas na Suíça.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX