1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

STF vai decidir na quarta-feira se recebe denúncia contra Cunha na Lava Jato

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 21h 35

Presidente da Câmara foi denunciado em agosto pela Procuradoria-Geral da República por suspeita de recebimento de propina em contratos de compras de navios-sonda da Petrobrás

BRASÍLIA - O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) irá decidir na próxima quarta-feira, 2, se recebe a denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e torna o parlamentar réu de uma ação penal. O presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski, decidiu incluir o caso na pauta do plenário da próxima semana. A pauta com a previsão dos julgamentos ainda não foi publicada no Tribunal.

Cunha foi denunciado em agosto pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo no âmbito da Lava Jato por suspeita de recebimento de propina em contratos de compras de navios-sonda da Petrobrás. De acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Cunha recebeu US$ 5 milhões de um contrato da petroleira entre 2006 e 2007.

Por essa acusação, Janot ofereceu denúncia contra Cunha por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O peemedebista nega as acusações.

Neste mesmo processo, a ex-deputada-federal Solange Almeida (PMDB-RJ), atual prefeita do município fluminense de Rio Bonito, também foi denunciada por suspeita de usar o cargo na Câmara dos Deputados para atender os interesses de Cunha no esquema de corrupção da estatal.

O possível aceitamento da denúncia pelo Supremo gera outra discussão dentro da Corte, a respeito do afastamento do parlamentar. O pedido de afastamento de Cunha pelo uso indevido do cargo de deputado federal e tentativa de atrapalhar as investigações foi feito por Janot em dezembro do ano passado.

Além da denúncia já oferecida, Cunha é alvo de outra investigação na Corte, a respeito da existência de contas na Suíça das quais ele e sua família são beneficiários.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX