1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

STF julga nesta quinta perdão de pena de petistas condenados no Mensalão

- Atualizado: 10 Março 2016 | 12h 56

Relator da ação penal 470, o ministro Luís Roberto Barroso poderia tomar essa decisão sozinho, mas resolveu levar o caso para ser debatido com seus pares

Ministro Luís Roberto Barroso durante sessão plenária do STF
Ministro Luís Roberto Barroso durante sessão plenária do STF

Brasília - No momento em que as investigações da Operação Lava Jato avançam em direção ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Supremo Tribunal Federal (STF) pode conceder o perdão da pena de dois petistas condenados do julgamento mensalão: Delúbio Soares e João Paulo Cunha.

Os casos do ex-tesoureiro e do ex-deputado do PT vão ser analisados pelo plenário da Corte nesta quinta-feira, 10. Relator da ação penal 470, o ministro Luís Roberto Barroso poderia tomar essa decisão sozinho, mas resolveu levar o caso para ser debatido com seus pares.

Os dois petistas já cumprem a pena em casa. Delúbio Soares foi preso em novembro de 2013 e condenado a 6 anos e 8 meses de prisão. Já a condenação de João Paulo, de 6 anos e 4 meses, começou a ser cumprida em fevereiro de 2014.

Com base no decreto presidencial do indulto de Natal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recomendou em parecer ao STF o perdão para Delúbio, João Paulo e outros sete condenados no julgamento: os ex-deputados Roberto Jefferson (PTB-RJ), Valdemar Costa Neto (PR-SP), Romeu Queiroz (PMB-MG), Pedro Henry (PP-MT) e Bispo Rodrigues (PR), além do ex-diretor do Banco Rural Vinícius Samarane e do advogado Rogério Tolentino.

Esses outros casos não estão na pauta do Supremo desta quinta, mas também podem ser decididos porque a situação dos condenados é a mesma e o entendimento poderia ser aplicado a eles.

Em fevereiro, Barroso negou o perdão da pena do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Dirceu cumpria pena em regime aberto pelo mensalão quando voltou a ser preso no ano passado, por suspeita de envolvimento em desvios na Petrobras investigados pela Lava Jato.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX