Divulgação
Divulgação

Soninha Francine se une a Doria e diz que PSDB é vítima de preconceito

Hoje no PPS, a jornalista, que já foi vereadora do PT entre 2004 e 2007, tenta retornar à Câmara dos Vereadores na campanha municipal de 2016

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2016 | 18h40

SÃO PAULO - Ex-vereadora do PT entre 2004 e 2007, a jornalista Soninha Francine, hoje no PPS, decidiu subir no palanque de João Doria (PSDB) na campanha municipal em 2016 para tentar voltar à Câmara dos Vereadores.  Nessa entrevista ao Estado, ela fala sobre a aliança, defende o impeachment de Dilma Rousseff e afirma que o PSDB é alvo de preconceito.

Por quê você decidiu fazer campanha para João Doria? 

O primeiro voto difícil que ele conquistou foi meu. Eu tinha resistências. A imagem era de um cara que achava que resolveria tudo por ser do setor privado, mas ele me convenceu. 

Acha que seu eleitorado vai estranhar essa decisão? 

Uma parte  do eleitorado sim, mas devido a um preconceito e uma imagem consolidada injusta do PSDB como um partido que tem compromisso com as pautas conservadoras. Em relação à pauta LGBT, por exemplo, isso é de uma injutiça cruel. Os governos do PSDB desde Franco Montoro foram pioneiros em políticas LGBT, incluindo o Alckmin. 

Como avalia o projeto De Braços Abertos da prefeitura na cracolândia?

É ineficaz. As ONGs têm ações muito mais efetivas com moradores de rua do que a (operação) De Braços Abertos. O programa custa muito caro e tem efeito reduzido. 

Defende a proposta de privatizar equipamentos públicos encampada pelo Doria?

Mudei de ideia sobre privatização e concessão. O PT também mudou. Dilma fez campanha descendo o pau em privatização e fez concessão de aeroporto. Há um carimbo injusto de que o PSDB quer o estado mínimo. O partido é social-democrata. O PSDB foi acertivo em pautas progressistas em tempos de resistência da Igreja Católica. A privatização virou uma guerra pseudo-ideológica.      

Defende o impeachment de Dilma?

Sou a favor. Houve crime de responsabilidade. Ela cometeu crimes inerentes ao exercício do cargo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.