1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Solidariedade oficializa apoio a Aécio e garante 40 segundos de TV para tucano

Pedro Venceslau e Daniel Bramatti - O Estado de S.Paulo

13 Maio 2014 | 07h 39

Aliança garante 3min42 de propaganda ao PSDB e ajuda da Força Sindical, que cobra defesa de pauta trabalhista

SÃO PAULO - Com uma bancada de 24 deputados federais e "dono" de preciosos 40 segundos em cada bloco de 25 minutos na propaganda eleitoral na TV, que começa em agosto, o Solidariedade anunciará nesta terça-feira, 13, oficialmente em Brasília o apoio ao senador Aécio Neves, pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto.

A legenda, que foi fundada no ano passado pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (o Paulinho da Força) também promete ao tucano garantir o engajamento da Força Sindical, uma das maiores centrais sindicais do País. O presidente da entidade, Miguel Torres, foi até apresentado como "opção" para ocupar o cargo de vice na chapa do senador mineiro.

No ato político desta terça, marcado para 15h em um hotel de Brasília, Paulinho entregará para Aécio um documento com 21 propostas de governo, sendo quase todas ligadas à pauta trabalhista. Entre elas estão o fim do fator previdenciário, regulamentação da terceiração para garantir os dieritos dos terceirizados e o desenvolvimento de políticas de crédito para micro e pequenas empresas.

"O trabalhador está cansado da incompetência e das mentiras da Dilma", afirmou Paulinho da Força. "Estamos com o Aécio porque ele se comprometeu com a pauta dos trabalhadores", completou.

Com apoios já garantidos do DEM e do SDD, Aécio ainda busca um acordo com o PP para ampliar seu tempo de TV. A sigla, porém, está mais próxima da presidente Dilma Rousseff (PT), que disputará a reeleição.

Se não conseguir aumentar seu arco de aliança, o senador mineiro contará com 3min42 segundos de TV em um cenário com 12 candidatos presidenciais (o mais provável). A presidente Dilma Rousseff terá 12min. Na campanha de 2010, o candidato tucano José Serra contou com 7min19s, contra 10min39 de Dilma.