1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Skaf:PMDB e PT são rivais em SP e unidos por Dilma

GUSTAVO PORTO - Agência Estado

29 Abril 2014 | 18h 41

O pré-candidato a governador de São Paulo Paulo Skaf (PMDB), presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), afirmou nesta terça-feira, 29, que o PMDB e o PT são adversários no Estado para as eleições de 2014, ao contrário do cenário federal, onde, de acordo com ele, os dois partidos continuarão coligados para tentar reeleger a presidente Dilma Rousseff. "Eu sou pré-candidato ao governo de São Paulo, o PT tem outro candidato (Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde). Portanto, o PT e o PMDB são adversários aqui no Estado", disse Skaf, que visitou a 21ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow), em Ribeirão Preto, no interior paulista.

Skaf afirmou, no entanto, que manterá as críticas ao governo federal quando defender bandeiras do setor industrial, como foi o caso da campanha da redução da conta de energia elétrica, encabeçada por ele. Skaf, no entanto, poupou o governo de Dilma, ao avaliar que não há uma ameaça de desabastecimento de energia no País por causa do baixo nível dos reservatórios de água. "O governo fez a lição de casa, deu uma reserva de 25% de energia térmica e o abastecimento está garantido", disse.

Já em relação ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato à reeleição, as críticas foram duras por parte do presidente da Fiesp. Skaf disse que, em repartições públicas do Estado, como distritos policiais (DPs), a estrutura é da "década de 70 e 80". O pré-candidato do PMDB a governador de São Paulo criticou ainda a ameaça de desabastecimento de água por parte da Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) e considerou um "absurdo" a empresa pagar dividendos aos acionistas em vez de usar os recursos para investimentos na capacidade.

Em relação ao PSD, Skaf disse que as coligações só se definirão no fim de maio e considera o ex-prefeito da capital paulista Gilberto Kassab (PSD) o pré-candidato da legenda. "Se ele for mais uma opção (como candidato), ótimo."

Sobre o levantamento da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), realizada em parceria com a MDA Pesquisa divulgada hoje, o presidente da Fiesp declarou que é uma "fotografia do momento" e que a movimentação no mercado mostra que a sondagem não prevê o futuro. "Virão outras pesquisas e outras movimentações no mercado", garantiu. Na pesquisa, Dilma teria 37% das intenções de voto, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), 21,6%, e o presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, 11,8%.

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo