Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Servidor é suspeito de desviar R$ 5 mi da Previdência da Câmara

Departamento de Polícia Legislativa da Casa e Ministério Público Federal investigam funcionário, que foi afastado de sua função após as suspeitas

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2018 | 23h46

Atualização às 15h34 de 1º de março de 2018

BRASÍLIA - O Departamento de Polícia Legislativa da Câmara e o Ministério Público Federal investigam um servidor da Câmara suspeito de ter desviado pelo menos R$ 5 milhões da Previdência dos deputados. De acordo com a assessoria de imprensa da Câmara, Leandro Cezar Vicentim foi afastado da função após as suspeitas e antigos colegas dizem que ele deixou o País.

O esquema, segundo a investigação, funcionava por meio de uma empresa aberta pelo funcionário com o mesmo nome do Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC). O servidor recolhia a contribuição dos parlamentares, que eram pagas em boleto bancário, mas o destino era uma conta da empresa, em vez de recolhido para o fundo previdenciário.

Os primeiros indícios de irregularidade surgiram em dezembro, quando o servidor estava em férias. Um funcionário abriu um envelope endereçado a Vicentim acreditando se tratar de algum assunto relacionado ao plano dos parlamentares. Ao abrir o documento, porém, se deparou com recibos no nome da empresa particular de nome PSSC.

Em 2 de fevereiro, Vicentim foi afastado e foi aberto um processo administrativo disciplinar, além de um inquérito policial, contra o funcionário. Na mesma época, a Secretaria de Controle Interno iniciou auditoria nas contas do plano parlamentar e suspeita que o rombo pode ser maior do que o previsto inicialmente.

Vicentim é servidor de carreira há cinco anos. Segundo funcionários da Casa, ele dominava todo o sistema de Previdência dos deputados.

DEFESA

Vicentim negou nesta quinta-feira, 1, que tenha causado prejuízo à Câmara e afirmou que tinha o consentimento dos deputados para realizar investimentos paralelos ao PSSC. Por meio de seu advogado, Maurício Carneiro, o funcionário da Câmara informou que está voltando para o País nesta quinta, e disse que não cometeu “qualquer tipo de ilícito”. 

Carneiro enfatizou que não há “qualquer tipo de ilícito” cometido por Vicentim, seja administrativo ou penal, e que tudo ocorreu com a “anuência das partes envolvidas”. De acordo com o advogado, os parlamentares tiveram “inclusive lucro” com os investimentos. “Não há qualquer tipo de prejuízo financeiro para a Câmara ou para o setor de Previdência da Casa ou tão pouco aos parlamentares”, disse o advogado. /COLABOROU ISADORA PERON

Mais conteúdo sobre:
Câmara dos Deputados corrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.