1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Servidor diz a revista que MP foi editada sem análise de técnicos

- Atualizado: 13 Fevereiro 2016 | 19h 09

De acordo com o funcionário, a MP foi redigida pelo Ministério da Fazenda e autorizada pelo então presidente Lula

O servidor Luiz Alberto dos Santos, subchefe da Casa Civil entre janeiro de 2003 e julho de 2014, alertou por e-mail, em 2009, a presidente Dilma Rousseff, então ministra da pasta, que a Medida Provisória 471 foi publicada sem análise do corpo técnico do órgão. O texto prorrogou benefícios tributários ao setor automotivo.

De acordo com o funcionário, a MP foi redigida pelo Ministério da Fazenda e autorizada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sem que servidores da Casa Civil avaliassem aspectos técnicos da medida. As informações foram publicadas pela revista Veja desta semana. 

"Diziam que já estava decidido, davam uma envernizada, faziam umas contas que ninguém sabia se estavam certas e levavam direto ao presidente", afirmou Santos à revista. 

Luiz Alberto dos Santos foi subchefe da Casa Civil entre 2003 e 2014

Luiz Alberto dos Santos foi subchefe da Casa Civil entre 2003 e 2014

Investigadores da Operação Zelotes, da Polícia Federal, suspeitam que advogados e lobistas pagaram propina a agentes públicos para publicar a MP. Para o servidor, no entanto, a medida seria editada de qualquer forma. "Se alguém pagou, foi enganado, comprou um terreno na lua. Era quase impossível que aquele benefício não fosse prorrogado."

Há duas semanas, Dilma respondeu à Justiça, ao depor como testemunha, que não tinha nenhuma informação sobre o caso. Ouvido pela PF, Lula confirmou que a medida foi elaborada pelo Ministério da Fazenda e negou ter cedido a qualquer tentativa de lobby. O então ministro da Fazenda, Guido Mantega, também disse à polícia que Lula “jamais manifestou qualquer empenho” para ver editadas as MPs

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX