Serra é vaiado por professores no interior de São Paulo

Professores protestavam por reajuste de salários; governador tucano classificou críticas como 'trololó petista'

Sandro Villar, da Agência Estado,

25 Setembro 2009 | 18h33

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), foi vaiado nesta sexta-feira, 25, durante evento em Presidente Prudente, interior do Estado. Mesmo sob os aplausos de aproximadamente 200 pessoas - levadas por prefeitos e deputados da região -, um grupo de 50 professores em campanha por reajuste salarial conseguiu incomodar o tucano.    

 

"É um trololó petista", reagiu o governador, referindo-se aos manifestantes. Durante seu discurso, o governador reclamou da gritaria. "É uma amolação à paciência de quem discute os problemas da região."        

Impedidos por uma barreira de policiais, os manifestantes, que ficaram a uma distância de 100 metros do palanque e portavam faixas com severas críticas ao sistema educacional no Estado, foram proibidos de se aproximar de Serra. Eles pretendiam entregar ao governador um documento com as reivindicações da categoria.        

 

"Serra mentiroso, Educação já tá no poço" e "Serra sem ação, não valoriza a Educação", eram as palavras de ordem dos professores.        

 

O coordenador regional da Apeoesp, Alberto Bruschi, foi irônico. "Vamos dar as 'boas-vindas' ao governador e agradecer o mal que ele tem feito à educação e aos professores. O reajuste era para ter sido dado ontem. Nós estamos aproximadamente há 14 anos sem saber o que é reajuste salarial", atacou.        

 

Sucessão        

 

Durante o evento, em que inaugurou melhorias no aeroporto da região, Serra admitiu que, se fosse eleito presidente da República, sua prioridade seria o desenvolvimento. "Para ser eleito primeiro eu preciso ser candidato e isso só vai ser definido mais para a frente", ressaltou.        

 

Serra não quis comentar sobre os possíveis candidatos a vice na chapa tucana. "Discutir o vice agora seria um exagero completo", desconversou.        

 

Inaugurações        

 

Atrasado em mais de uma hora, Serra deixou Presidente Prudente e foi para Osvaldo Cruz, onde entregou o trecho reformado de 44 quilômetros da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, entre Iacri e Adamantina. A obra custou de R$ 43 milhões.        

 

O governador encerrou o dia em Pauliceia. Lá, ele inaugurou a ponte Mário Covas sobre o Rio Paraná, ligando São Paulo e Mato Grosso do Sul. Com extensão de 1,7 quilômetro, a ponte, que começou a ser construída em 2001, custou mais de R$ 160 milhões, sendo 80% da verba do governo federal.

 

 

Veja Também

linkEm Minas Gerais, PMDB assume oposição a Aécio

linkCiro autodeclara-se candidato e ataca Serra

linkEm entrevista, Dilma Rousseff questiona fama de 'ranzinza'

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.