Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Será que aqui tem fantasma?', brinca Temer sobre o Alvorada

Em entrevista à revista 'Veja', presidente disse que decidiu voltar ao Jaburu ao sentir uma 'coisa estranha' na residência oficial

O Estado de S.Paulo

11 Março 2017 | 11h54

SÃO PAULO - O presidente Michel Temer explicou por que desistiu de morar no Palácio do Alvorada e preferiu retornar ao Palácio do Jaburu, decisão que causou controvérsias após a reforma de mais de R$ 20 mil na residência oficial da Presidência da República. "Senti uma coisa estranha lá. Eu não conseguia dormir, desde a primeira noite. A energia não era boa. A Marcela sentiu a mesma coisa. Só o Michelzinho, que ficava correndo de um lado para outro, gostou. Chegamos a pensar: será que a aqui tem fantasma?", concluiu.

Em entrevista à revista Veja, Temer afirmou ainda que "nunca" demitiu nenhum ministro. "Eles é que se sentiram incomodados e pediram para sair. O governo não pode ficar sujeito à instabilidade das acusações que surgem na Lava Jato", acrescentou, referindo-se à operação da Polícia Federal.

O presidente voltou a apostar que a economia do País dará os primeiros sinais de recuperação neste primeiro trimestre de 2017. Reiterou que o "fundo do poço" ficou para trás e que postos de trabalho começam a surgir nas indústrias de São Paulo e Rio de Janeiro. "Ainda é pouco, mas é o começo. Talvez ainda no primeiro trimestre deste ano os indicadores do PIB já sejam positivos. Algo como 0,1%, 0,2% ou 0,3%. Isso parece pouco, mas estamos saindo de um encolhimento de 3,6% no ano passado", afirmou à publicação. "Os atuais níveis de desemprego, porém, devem persistir até o terceiro trimestre deste ano", ponderou.

O peemedebista frisou ainda que quer "entrar para a história como um presidente reformista", lembrando que devem ser aprovadas neste ano as reformas da Previdência, trabalhista, tributária e política. "Não sou populista, não estou atrás do aplauso popular. Fizemos em alguns meses o que os últimos presidentes não conseguiram fazer em décadas", avaliou. "Hoje eu diria que meu governo é 10 por tudo que fizemos e diante do desarranjo que recebi. Mas prefiro fazer uma avaliação em setembro, quando estaremos completando um ano de mandato efetivo."

Na entrevista, Temer também teceu elogios ao Congresso, afirmando que só está no cargo graças ao apoio dos deputados e senadores. Conforme o presidente, ele não tem o apoio do povo nem a simpatia da imprensa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.