1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Senadores vão acompanhar investigações sobre a morte de Malhães

Thaise Constâncio

30 Abril 2014 | 13h 52

Integrantes da Comissão de Direitos Humanos vão para o Rio na próxima semana para ter acesso a apuração da Polícia Civil

RIO - Os senadores Ana Rita (PT-ES), João Capiberibe (PSB-AP) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), membros da Comissão de Direitos Humanos do Senado irão ao Rio na próxima terça-feira, 6, para acompanhar as investigações da Polícia Civil do Rio sobre a morte do coronel da reserva do Exército Paulo Malhães, na quinta-feira, 24, no sítio onde morava, na zona rural de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Nessa terça, 29, o grupo se reuniu com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que afirmou que, por determinação dele, a Polícia Federal acompanhará e apoiará as investigações no que for necessário.

Nessa terça, o caseiro de Malhães, Rogério Pires, foi preso após, segundo a polícia, confessar que facilitou a entrada de seus irmãos Anderson e Rodrigo no sítio do coronel. O plano do trio era roubar armas e bens. Rogério não teria participação na morte do militar, que teria sido acidental, e não seria o mentor do crime. Os irmãos, que trabalhavam como pedreiros, estão foragidos. Um deles, não identificado pela polícia, responde a um processo por estupro.

O homem que estava encapuzado ainda não foi identificado pela Polícia Civil. Ontem delegado titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Pedro Henrique Medina, afirmou que o caseiro não disse quem era o criminoso, mas não descarta que seja uma pessoa próxima. "Não temos informações sobre o encapuzado, pode ser um elemento mais precavido. Tudo é possível porque o caseiro era uma pessoa que tinha relação com ele (Malhães)".

"Não estão descartadas outras possibilidades (de queima de arquivo ou homicídio por vingança). Apesar de as evidências serem mínimas (é possível) que haja um autor intelectual que tenha fins escusos como se fosse uma queima de arquivo, mas é uma possibilidade muito pequena. O crime contra o patrimônio estava planejado (há um mês)", afirmou após entrevista coletiva na terça.

Um irmão de Rogério, Paulo Pires, esteve na DHBF nesta quarta-feira, 30, para visitar o caseiro.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo