Senado aprova Tombini para presidência do Banco Central

Dos 23 senadores com direito a voto, 22 foram favoráveis à indicação e apenas um contra.

BBC Brasil, BBC

07 Dezembro 2010 | 14h15

Depois de mais de três horas de sabatina, o diretor de normas do Banco Central, Alexandre Tombini, foi aprovado nesta terça-feira, pelo Senado, como novo presidente da autarquia.

Tombini foi escolhido pela presidente eleita, Dilma Rousseff, para substituir Henrique Meirelles, que comanda a autoridade monetária desde o primeiro dia do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Dos 23 senadores presentes à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, 22 votaram a favor da indicação e apenas um contra.

Ao responder aos questionamentos dos parlamentares, Tombini reiterou o compromisso do BC com uma "inflação baixa" e que essa foi a condição "exigida" por Dilma ao convidá-lo para o posto.

O futuro presidente do Banco Central também disse que recebeu "autonomia plena" da presidente eleita, em uma tentativa de desfazer a impressão de alguns economistas que preveem um Banco Central menos autônomo nos próximos anos, ou seja, mais vulnerável a interferências políticas.

Funcionário de carreira do Banco Central há 15 anos, Tombini esteve também no Fundo Monetário Internacional, onde trabalhou de 2001 a 2005. Desde 2006 é diretor de normas do BC. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.