Assine o Estadão
assine

Política

Incra

Sem-terra saqueiam Incra e deixam prejuízo de R$ 1 milhão

Grupo deixou o local no dia 4 de fevereiro; vandalismo foi tanto que até a tarde desta quinta-feira, 18, a sede regional do órgão federal em São Paulo não tinha voltado a atender o público.

0

José Maria Tomazela,
O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2016 | 12h30

SOROCABA - Em quatro dias de invasão, integrantes da Frente Nacional de Lutas (FNL) depredaram e saquearam as instalações da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em São Paulo. Quando o grupo de sem-terra deixou o prédio no dia 4 de fevereiro, havia um rastro de destruição: móveis danificados, armários e gavetas arrombados, paredes pichadas, vidros e equipamentos quebrados, além do sumiço de computadores, disquetes e documentos. O prejuízo foi calculado em mais de R$ 1 milhão.

O vandalismo foi tanto que até a tarde desta quinta-feira, 18, a sede regional do órgão federal em São Paulo não tinha voltado a atender o público. As ações violentas da Frente liderada por José Rainha Junior já haviam provocado um racha no movimento. Depois de discordar dos métodos empregados pelo líder, seu então braço-direito, Luciano de Lima, criou com outros dissidentes da Frente o Movimento Social de Luta (MSL).

Lima não tinha concordado com uma depredação anterior na mesma sede do Incra, na capital paulista, ocupada em julho de 2015. "Não somos terroristas e não aceitamos a quebradeira. O Incra já está sucateado, não tem dinheiro, não tem equipamentos." Após a nova ação, ele disse que até a entrega de cestas básicas aos assentamentos está suspensa. "Detonar como fizeram prejudica os trabalhadores e os movimentos sociais. A Frente era para representar os trabalhadores, mas virou um discurso de política e de partidos. O vandalismo e a quebradeira foram a gota d'água."

De acordo com o Sindicato dos Servidores Federais de São Paulo (Sindesf-SP), ao detectar os danos ao patrimônio, a situação foi comunicada à Polícia Federal, que enviou equipe para realizar a perícia do local. Segundo a nota, foi constatado furto de computadores, impressoras de GPS e muitos outros instrumentos de trabalho. "Toda a frota de carros encontra-se danificada, os fios de telefones e de rede (internet) foram cortados. Nem mesmo os extintores de incêndio foram poupados durante a ação."

Ainda segundo o sindicato, em alguns setores, documentos e processos foram revidados e espalhados pelo chão. Em assembleia conjunta, o Sindsef-SP, o Sindicato dos Peritos Federais Agrários (Sindpfa) e a Associação dos Servidores do Incra São Paulo (Assincra-SP) criticaram a ação. "Uma ocupação que pretende chamar a atenção dos gestores e da sociedade sobre o descaso do governo é totalmente diferente do que foi feito pelos integrantes da FNL na sede do Incra/SP."

De acordo com a nota, as condições de trabalho, que já eram precárias antes, se agravaram mais, prejudicando os próprios trabalhadores rurais sem terra e assentados, além de comunidades quilombolas e outros públicos atendidos pelo Incra. Em comunicado público, o Incra esclareceu que a interrupção do atendimento é consequência da ocupação pela FNL. A direção nacional determinou a ida de uma equipe técnica à sede de São Paulo para elaborar plano de ação emergencial para reequipar o local. 

Em nota, à reportagem, o Incra informou ter acionado a Polícia Federal tão logo identificou os danos materiais e imateriais causados por integrantes da Frente. A PF instaurou inquérito para apurar a extensão dos danos, bem como para identificar os responsáveis pelos ilícitos cometidos durante a ação. O Incra aguarda a conclusão do inquérito para tomar medidas visando o ressarcimento do patrimônio público. Ainda segundo o órgão, a direção do movimento encaminhou uma pauta nacional de obtenção de terras para criação de assentamentos nos Estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal, que está sob análise do Incra.

O líder da FNL, José Rainha Junior, foi procurado por telefone e e-mail, mas não deu retorno. De acordo com outras lideranças, ele não participou da ocupação em São Paulo porque estava em Brasília, discutindo a pauta de reivindicações com o Incra nacional. Durante as negociações, Rainha Junior divulgou nota cobrando a destinação de áreas para assentamentos. "Se o Incra não faz justiça, sobrou para os movimentos fazer com que se cumpra a Constituição", escreveu. Na ocasião, ele defendeu a desapropriação de áreas que foram objeto de lavagem de dinheiro e criticou a corrupção no País.

 

Comentários