1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Sem motivo jurídico, afastamento da presidente teria outro nome, diz ministro da Saúde

- Atualizado: 24 Março 2016 | 18h 18

Marcelo Castro defende a permanência do PMDB no governo

RIO - Em meio à movimentação de lideranças do PMDB no Congresso para a aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o  ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB –PI), afirmou que sem "motivo jurídico", o afastamento da presidente teria “outro nome”. Castro defendeu a permanência do partido no governo, apesar da pressão pelo desembarque do governo na convenção da sigla, no próximo dia 29. Segundo o ministro, o partido atua com “previsibilidade” e "não pode dar às costas" ao País em momento de crise. 

Questionado se permaneceria no cargo mesmo com decisão contrária da convenção do partido, Castro afirmou apenas que "se nós não sairmos, o PMDB não saiu". O ministro também disse não ter pensado sobre a possibilidade de se licenciar do cargo para voltar à Câmara dos Deputados e votar contra o processo de impeachment.

O ministro da Saúde Marcelo Castro (PMDB-PI)
O ministro da Saúde Marcelo Castro (PMDB-PI)

"A presidente tem um mandato dado pelo povo. Esse mandato só pode ser interrompido se houver fato jurídico, um crime de responsabilidade. E não há nenhuma pessoa no Brasil, razoável, sensata, equilibrada, que possa dizer, nem de longe, que a presidente Dilma tenha cometido crime de responsabilidade. Um impeachment sem causa geradora, tem outro nome que não impeachment", afirmou Castro em evento no Rio.

O ministro citou o presidente do Senado, Renan Calheiros, que na quarta-feira já havia afirmado que, sem “caracterização" jurídica, o impeachment em análise pelo Congresso “teria outro nome". Calheiros terá papel fundamental na apreciação do processo, após votação na comissão especial criada na Câmara. 

Segundo o ministro Marcelo Castro, todos os sete ministros do PMDB trabalham pela permanência no governo. O grupo se reuniu ontem com a presidente Dilma Rousseff e expressou a intenção de trabalhar pela manutenção da aliança com o PT. 

"O PMDB tem sido, ao longo da história, o partido da estabilidade, governabilidade e previsibilidade. Não é perfil, não está no DNA do PMDB, no momento que o País precisa, o partido virar as costas para o País. O momento agora é que o País mais precisa do partido. Somos sete ministros do PMDB que ajudamos a eleger a presidente Dilma pela segunda vez. Estamos ajudando a governar juntos. Não há nenhum motivo jurídico para o impeachment", afirmou o ministro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX