1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Sem líder, PSB se aproxima de Alckmin com projeto eleitoral

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 03h 00

Intenção do partido é ter o tucano como candidato ao Palácio do Planalto em 2018; governador está insatisfeito no PSDB

Ganharam força no fim do ano passado as articulações que visam a aproximação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do PSB.

O grupo do PSB liderado pelo vice-governador de São Paulo, Márcio França, sonha ter Alckmin como candidato a presidente pelo partido em 2018. O tucano está insatisfeito com o PSDB no Estado por causa da escolha do candidato à sucessão do prefeito Fernando Haddad (PT).

Além disso, o governador dos paulistas enfrenta uma disputa interna em seu partido, o PSDB, na busca pela candidatura ao Planalto, pois os senadores tucanos Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) também querem ter a oportunidade de concorrer novamente a presidente.

Ciente dos obstáculos de Alckmin, França trabalha no PSB para aproximar seu partido do governador de São Paulo. Assim, se o tucano for preterido por Aécio ou por Serra, ele poderá ser candidato pelo PSB.

Apesar de Alckmin rejeitar a ideia publicamente, ela foi bem recebida no Palácio dos Bandeirantes porque aumenta o poder de pressão do governador paulista sobre o PSDB e porque mantém uma porta aberta a ele até o fim do mandato, em 2018.

Prefeitura. Qualquer que seja o arranjo para a disputa presidencial, ele passa pela eleição municipal na capital paulista. Alckmin não gostou da declaração de apoio feita por Serra e pelo ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso em favor do vereador Andrea Matarazzo, que vai concorrer às prévias tucanas para ser o candidato a prefeito neste ano.

Alckmin cogita apoiar a candidatura de França, pelo PSB, numa aliança com o PPS e o DEM, legendas que formam a base de apoio à gestão dele.

Essa frente seria mantida até a eleição de 2018, quando ele, Alckmin, seria, então, o presidenciável do PSB. Há, no entanto, uma ala do socialista contrária a essa aliança.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX