1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Secretário-geral da OEA defende garantia do mandato de Dilma e continuação da Lava Jato

- Atualizado: 21 Março 2016 | 21h 30

Declaração de Luis Almagro foi compartilhada por dirigentes petistas nas redes sociais; o mandato da presidente deve ser 'garantido por todos os poderes do governo e todas as instituições do País'

Comunicado da Organização dos Estados Americanos (OEA)
Comunicado da Organização dos Estados Americanos (OEA)

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, divulgou uma declaração na qual diz ser favorável à garantia do mandato da presidente Dilma Rousseff, à continuidade da Operação Lava Jato e afirma que “nenhum magistrado está acima da lei”.

A declaração foi publicada sexta-feira, 18, no site da OEA e divulgada nesta segunda-feira por dirigentes petistas em suas redes sociais.

Almagro diz que no Brasil a principal responsabilidade "política e jurídica é a estabilidade das instituições", faz elogios à honestidade de Dilma e afirma que “seu mandato constitucional deve ser garantido, de acordo com a Constituição e as leis, por todos os poderes do governo e todas as instituições do País, e qualquer deterioração da sua autoridade deve ser evitada, de onde quer que venha”.

O secretário-geral da OEA destaca ser “imperativo continuar a chamada Operação Lava Jato”, insiste que “ninguém – repito ninguém– está acima da lei” mas, sem citar nominalmente os magistrados que conduzem a operação, demonstra preocupação. “Por outro lado, nenhum magistrado está acima da lei, que deve aplicar, e da Constituição, que dá garantias ao seu trabalho. A democracia não pode ser vítima do oportunismo, mas deve ser sustentada pelo poder das ideias e da ética”, finalizou.

Dirigentes petistas, entre eles o ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência, Jaques Wagner, e o presidente do partido, Rui Falcão, replicaram nas redes sociais a declaração de Almagro, que ocupa a secretária-geral da OEA desde 2015 e foi chanceler no governo do ex-presidente do Uruguai José Mujica.

 

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX