‘Se indicação for técnica, não vejo problema’, diz Kátia Abreu

Uma das articuladoras das adesões ao governo, ministra afirma não haver impeachment ‘por má gestão ou antipatia’

Victor Martins, O Estado de S.Paulo

30 Março 2016 | 06h33

BRASÍLIA - Uma das responsáveis por contar votos contrários e favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e converter desafetos em aliados, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, afirmou não acreditar na queda do governo. Em entrevista antes da reunião do diretório do PMDB, ela colocou os cargos da sua pasta à disposição para abrigar novos aliados como contrapartida em uma negociação.

A sra. está engajada em evitar o impeachment. Como está o apoio ao governo nesse sentido?

Hoje, temos número de votos suficientes para ganhar (na votação do impeachment). Não há tanta dificuldade, as pessoas é que estão desenhando um quadro sombrio. Estamos otimistas. Estou em contato constante com a presidente Dilma e ela está confiante na Justiça e no Congresso e acredita que, na hora da votação, a opção da maioria não será pela ilegalidade.

Como é feita a articulação? O que os deputados pedem?

Minha maneira de fazer é usar argumentos. Para mim, ninguém pede nada em troca. Só estamos usando argumentos, mas não sou hipócrita, somos todos políticos. O político apadrinha para entrar, participar do governo. Não tenho preconceito, desde que seja gente especializada. Se forem indicações para o ministério, não vejo problema, desde que a pessoa seja técnica e saiba o que está fazendo. A pessoa pode ter padrinho para entrar, mas quem decide se fica ou não sou eu.

Alguns têm classificado o processo de impeachment como golpe. A sra. concorda?

Não vejo motivo constitucional. Não estou dizendo que impeachment é golpe, o problema é a forma como ele está ocorrendo. Como disse o Renan (Calheiros, presidente do Senado), se não tem crime de responsabilidade, esse processo tem de ter outro nome que não impeachment. Todos têm o direito de buscar o não impeachment. Não estou aqui atrás de emprego. Estou aqui porque acredito. Poderia ficar em cima do muro, que é mais confortável, mas não sei ser diferente.

As pessoas têm demonstrado insatisfação com o governo.

Vamos criticar. A crítica é justa. Erros foram cometidos na economia, houve aumento do desemprego, mas tudo está em tempo de ser corrigido. Precisamos votar as medidas no Congresso. Se acharmos que está ruim, conserto o problema nas urnas, na democracia é assim. Não há impeachment por má gestão e antipatia.

A sra. sondou outros partidos para continuar no governo?

Se eu fiz qualquer ligação ou sondei qualquer partido, quero perder a vida. Pior, ficar cega. Meu partido é o PMDB. Eu não procurei ninguém.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.