André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

‘Se ele aderir a esta tese, por que não?’, diz Padilha sobre Huck defender legado do governo Temer

Ministro da Casa Civil admite possibilidade de apresentador ser uma opção de candidatura à Presidência para partidos do centro político

Carla Araújo, Adriana Fernandes e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu a possibilidade de o apresentador Luciano Huck ser uma opção de candidatura à Presidência para partidos do centro político. "O que o presidente (Michel Temer) coloca é que o candidato seja defensor do legado e da continuidade dos programas que nós implantamos. Se ele aderir a esta tese, por que não?", disse Padilha em entrevista ao Estadão/Broadcast.

Segundo o ministro, Huck é um nome popular, mas, se realmente se lançar candidato, terá de construir uma malha de alianças de sustentação política.

+++Huck retoma consultas sobre candidatura

O governo conseguirá um candidato que defenda o legado desta gestão se não for o próprio presidente Michel Temer o candidato? 

Acho que já ficou bastante claro que o presidente Michel Temer não anda à caça de popularidade. Ele tomou, durante todo o seu período, decisões que não caminharam pelo rumo da popularidade, mas sim de fazer as reformas que o Brasil precisava. O que o presidente tem dito é que esse assunto (candidatura) ele vai falar lá no final de maio, começo de junho. É o que tem dito para nós porque queremos um candidato que defenda o legado dele.

Quando o presidente fala em maio e junho, tira qualquer chance de o ministro Henrique Meirelles ser este candidato, pois ele terá de anunciar a decisão antes dessa data.

Não tira chance de ninguém.

+++Meirelles se diz 'focado no cargo' e que não está pensando em disputar a Presidência

Mas ele teria que sair antes? 

Mas de repente ele sai, né?

E aí fica esperando "na chuva"? 

É o risco que se corre num partido grande.

O ministro está conversando com o MDB? 

Sim, com o MDB. E estou falando isso por causa do MDB.

+++'Se alguém diz que compreende, é porque está por fora', diz Serra sobre cenário eleitoral

Esperar até junho não é arriscado para o governo ter um candidato forte? 

Não, porque a gente está conversando com os demais partidos. O Meirelles está conversando, o Rodrigo (Maia, DEM-RJ) está conversando, o (Geraldo) Alckmin (PSDB-SP) está conversando...

Até o Luciano Huck está conversando. É possível ele ser um candidato apoiado pelo governo? 

Eu não digo que não. Ele não é um político tradicional, não sei qual a composição que ele vai tentar buscar para sua rede de proteção e apoio. O que o presidente coloca é que o candidato seja defensor do legado e da continuidade dos programas que nós implantamos. Se ele aderir a esta tese, por que não?

E como o senhor avalia Huck como candidato? 

É um nome popular, é um homem popular. É um outsider. Vem de fora para o processo político. Então, tem que esperar mais um pouco para ver. Ele vai ter que ter uma malha de aliança de sustentação porque hoje não se consegue governar o Brasil sem a ideia de governo de coalizão.

E como o senhor vê essa eventual candidatura? 

Estou muito contido. Ele estabeleceu um determinado patamar para dizer se é candidato, se não ele não vai ser.

Economistas renomados estão conversando com Huck seriamente e veem nele uma oportunidade. Um presidente outsider consegue negociar com o Congresso? 

Não tem ninguém que vai chegar à Presidência da República neste momento que poderá ter o Congresso alinhado com ele automaticamente. Isso não existe. Terá que fazer uma aliança de governo de coalizão, como tem agora com o presidente Temer. O presidente fez porque é necessário, Dilma fez porque era necessário, Lula fez porque era necessário.

+++'Não me sinto sabotado pelo FHC', diz Alckmin ao comentar amizade com Huck

Se o governo não conseguir nos nomes hoje colocados como possíveis candidatos da base - Maia, Meirelles, Alckmin, Huck -, um defensor do legado, o centro pode rachar? Pode ter mais candidatos?

Primeiro queremos ver se temos um candidato da base que se destaque como defensor do legado, dando ênfase a essas medidas que estão dando resultado positivo na área econômica. Mas, é possível (ter dois candidatos da base). Nós ainda estamos apostando em ter um candidato que possa galvanizar todos os partidos da base de apoio.

Entre os nomes que o governo trabalha está o do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (MDB)? 

É um bom nome.

O governo não tem que começar a se mexer? 

E quem disse que não está se mexendo? Muita calma nesta hora. A novidade tem que surgir. Não pode sacar da manga do colete. Eu vou me guardar um pouquinho mais, o presidente quer fazer isso só em maio. E nós estamos só em fevereiro.

O senhor vai se candidatar nas eleições deste ano? 

Eu sou candidato a ficar cuidando da minha filhinha. Eu estou fora.

O senhor não tem medo de perder o foro? O senhor tem vários processos. 

Eu não tenho medo.

E o presidente Temer, tem medo de perder o foro? 

Aí, você tem que perguntar para ele.

+++Padilha afirma que juro pode cair mais com reforma da Previdência

A disputa entre Maia e Meirelles pela candidatura atrapalha a votação da reforma da Previdência? 

Na política, a disputa é mais do que normal, quem não souber conviver com essa circunstância não faça política. É do jogo político.

É melhor para o ministro Meirelles ser candidato a vice? 

Isso é uma questão que o Meirelles tem que ver. Ele é um quadro muito qualificado, muito bom. Acho que o Rodrigo (Maia) é um jovem que tem mostrado competência e visão do que é o Estado brasileiro.

Mas atrapalha as negociações da reforma? 

Eventuais disputas por apoio entre os dois, que querem apoio de A, B ou C...não entram no campo da reforma.

Aliados de Maia culpam Meirelles pela suspensão dos empréstimos da Caixa a Estados e municípios, um ponto sensível nas eleições. 

Eu sei que não dá para atribuir ao Meirelles a culpa. É uma decisão que foi tomada pelo conselho (de administração da Caixa). A presidente do conselho é a Ana Paula Vescovi (secretária do Tesouro). Ah, mas foi o Meirelles atrás do conselho? Eu não tenho essa certeza.

Como o senhor vê a decisão do conselho da Caixa? 

Eu não vou questionar a decisão. As pessoas tinham que decidir algo. Acho que não cabe a nós do governo questionar publicamente nada.

O Ministério Publico pediu uma cautelar para suspender todos os empréstimos. Prejudica a reforma? 

Eu tenho ouvido manifestações de desacordo. De pessoas que não estão concordando com isso. Temos que administrar. É uma decisão que está em vigor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.