1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Santana diz que recursos no exterior são relativos a trabalhos executados fora do Brasil

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 00h 29

Marqueteiro afirma que existe um 'clima de perseguição' no País

SÃO PAULO/BRASÍLIA - Após ter sua prisão decretada pela Justiça Federal, o marqueteiro João Santana divulgou carta na qual disse ter renunciado de seu cargo na campanha à reeleição do presidente Danilo Medina, do Partido de la Liberación Dominicana (PLD), na República Dominicana. No texto, ele afirmou existir um “clima de perseguição” no Brasil.

“Conhecendo o clima de perseguição que se vive hoje em meu país, não posso dizer que fui completamente surpreendido, mas, ainda assim, fica difícil de acreditar”, diz o texto.

O marqueteiro afirma no texto que a renúncia ao trabalho permitirá a ele “defender-se de acusações infundadas” e que se colocou à disposição das autoridades para esclarecer “qualquer especulação”. A defesa de Santana disse que recursos recebidos por ele no exterior são relativos a trabalhos executados fora do Brasil. O marqueteiro atuou nas campanhas da presidente Dilma Rousseff, em 2010 e em 2014, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006.

O advogado do marqueteiro, Fábio Toufic, informou nesta segunda-feira ao juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, que Santana e a mulher, Mônica Moura, estavam na República Dominicana a trabalho e que retornariam ao Brasil “nas próximas horas”. Segundo a defesa, os dois vão se entregar às autoridades assim que desembarcarem no País.

“Os peticionários tomaram conhecimento, na manhã de hoje (segunda-feira), de que foram alvo de fase ostensiva da Operação Lava Jato. Como, no entanto, já informado em petição previamente protocolada perante este d. Juízo, encontram-se fora do País, a trabalho. Todavia, já agendaram seu imediato retorno ao Brasil, movimento que deve ocorrer nas próximas horas”, afirmou a defesa. “Tão logo realizado o desembarque, apresentar-se-ão, imediatamente, às autoridades.”

Embarque. No documento a Moro, o advogado negou que Santana tenha desistido de embarcar para o Brasil no domingo ao saber que seria alvo de mandado de prisão temporária. “É mentirosa e leviana a alegação veiculada em alguns periódicos na manhã de hoje (segunda-feira), de que teriam desistido de embarcar em voo que chegaria hoje ao Brasil. O referido bilhete aéreo foi emitido pela agência de viagens há mais de uma semana por engano, tanto que cancelado no mesmo dia. Perversa, portanto, qualquer relação que se queira fazer entre esse fato e a operação deflagrada na data de hoje.”

A compra da passagem de retorno de Santana ao Brasil foi monitorada pela Polícia Federal. O marqueteiro e sua mulher não embarcaram no domingo em voo que partiu da República Dominicana com destino ao aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Segundo investigadores, o voo registrou “no show”, quando o passageiro não comparece para o embarque.

A defesa pediu a Moro medidas para evitar que haja “odioso espetáculo público” na chegada do casal ao País. Até a conclusão desta edição não havia detalhes sobre a volta de Santana ao País.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX