Sandes Jr. pediu patrocínio para time do filho

Investigado por suas relações com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, o deputado federal Sandes Júnior (PP-GO) também pediu ao contraventor goiano ajuda para bancar viagem ao exterior do time de futebol em que joga o seu filho adolescente.

ALANA RIZZO E FÁBIO FABRINI, Agência Estado

03 Maio 2012 | 07h33

Numa conversa gravada pela Polícia Federal em 28 de abril do ano passado, o parlamentar apela a Carlinhos Cachoeira para que o contraventor consiga, com a cúpula do Laboratório NeoQuímica, de Anápolis (GO), R$ 150 mil para que os jogadores do Colégio Podium, de Goiânia, participem de competição em Orlando, nos Estados Unidos. O filho de Sandes também viajaria com a equipe.

?Preço baixo?

"Será que você não consegue que a NeoQuímica, que já patrocina o Goiás, patrocinar nós (sic)?", questionou o deputado. "É R$ 150 mil com despesa de passagem, hotel, tudo. Eles conseguiram um preço muito baixo", argumentou o deputado Sandes Júnior.

As escutas mostram que Cachoeira não se entusiasmou com o pedido: "Pode ser. Vou ver com o Marcelo". O deputado alega, então, ter pressa: "Tá, mas a resposta tem de ser até amanhã, viu?"

Sandes pediu a Cachoeira, no ano passado, patrocínio para bancar uma pesquisa de intenção de voto à Prefeitura de Goiânia. Ele fazia lobby para ser vice numa eventual chapa do senador Demóstenes Torres (sem partido, GO), acusado de envolvimento no esquema. A sondagem, entretanto, não se concretizou, segundo o deputado, porque Cachoeira considerou o momento inadequado.

Procurado pela reportagem, o deputado federal informou que o patrocínio para a viagem também não vingou. Segundo ele, naquela ocasião, o laboratório já havia fechado a programação de auxílios para o ano. "Não saiu e os meninos não foram (para Orlando). Ele (Carlos Cachoeira) tentou e não conseguiu", explicou o deputado. "Pedi para todos do time, não só para o meu filho", acrescentou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
CPI Cachoeira Sandes Jr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.