1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Ruralistas são suspeitos de intervir em PEC sobre terras

MARIÂNGELA GALLUCCI - Estadão Conteúdo

22 Agosto 2014 | 18h 53

O Ministério Público Federal (MPF) revelou a suspeita de que ruralistas tentaram interferir na tramitação no Congresso de uma proposta de emenda à Constituição que trata de demarcação de terras indígenas.

De acordo com informações divulgadas nesta semana pelo MPF, conversa telefônica interceptada com autorização judicial mostrou que o líder ruralista Sebastião Ferreira Prado planejava pagar R$ 30 mil a um advogado ligado à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que seria o responsável pelo relatório da proposta.

Segundo o MPF, no diálogo interceptado, Prado disse: "o cara que é relator, o deputado federal que é o relator da PEC 215, quem está fazendo para ele a relatoria é o Rudy, advogado da CNA, que é amigo e companheiro nosso". Líder da Associação de Produtores Rurais de Suiá-Missu (Aprossum), Prado está preso desde o último dia 7.

No dia 11, o MPF pediu à Justiça que mantivesse Prado na prisão. Na ocasião, sustentou que havia uma suspeita de tentativa de corromper a edição de um ato normativo e que, portanto, o Judiciário precisava impedir isso.

Em sua decisão, o juiz responsável pelo caso reconheceu que o lobby no Congresso é um aspecto inerente ao processo político. No entanto, ele disse que o problema foi o meio usado para fazer o lobby, mediante a tentativa de pagamento ao responsável pela elaboração do texto.