1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rio lota 8 quarteirões em Copacabana

- Atualizado: 13 Março 2016 | 22h 24

Avenida Atlântica recebeu mais gente do que nos protestos anteriores; PM não fez estimativa de público e organizadores falam em 1 milhão

O protesto contra o governo federal e o PT no Rio de Janeiro atraiu mais gente do que todos os atos realizados no ano passado. A Polícia Militar não divulgou estimativa de público, mas os organizadores calcularam em um milhão os participantes que lotaram oito quarteirões da avenida Atlântica, orla de Copacabana, zona sul. Sem registro de incidentes graves, a manifestação durou cerca de cinco horas, com o grupo seguindo do posto 5 até o tradicional Hotel Copacabana Palace.

Embora poucos políticos tenham participado, o deputado federal Otávio Leite (PSDB) e o jornalista Fernando Gabeira discursaram em carros de som. “A Dilma vai cair, tenho convicção. (...) O chefe da quadrilha vai ser preso”, disse Gabeira, que chegou a ser deputado pelo PT, referindo-se a Lula.

Protestos contra a presidente Dilma Rousseff no Rio
Wilton Júnior/Estadão
Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, os protestos contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) se concentraram na Praia de Copacabana, na zona sul da cidade

“A Câmara tem de priorizar o impeachment. Não dá para decidir sobre o Brasil. É preciso antes decidir sobre a mudança do governo do Brasil”, disse Leite ao Estado, após declarar seu apoio ao impeachment pelo microfone.

Também participaram do ato os atores Luana Piovani, Juliana Paes, Silvia Pfeiffer, Márcio Garcia, Suzana Vieira e Marcelo Serrado. Suzana e Marcelo vestiam camisetas com os dizeres "Morobloco", em referência ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato.

Políticos e personalidades participam de protestos contra o governo
Filipe Araújo/Estadão
Manifestantes

Aécio Neves e Geraldo Alckmin não ficaram mais de 30 minutos na avenida Paulista. O senador e o governador foram hostilizados por parte dos manifestantes presentes no local

Cobranças pela saída da presidente Dilma Rousseff (PT) e pela prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de elogios ao juiz Moro foram as manifestações mais comuns. Estavam em cartazes, camisetas (a maioria, amarelas) e bonecos infláveis. Os de Lula e Dilma em trajes de presidiário, com cerca de 30 centímetros, eram vendidos a R$ 10 por ambulantes.

Havia cartazes e algumas camisetas com frases em inglês, como “We are all Sérgio Moro” (Nós somos todos Sérgio Moro) e “In Moro we trust” (Em Moro nós confiamos).

Dia de Protestos
TV Estadão | 13.03.2016
Especialistas comentam as manifestações contra o governo Dilma Rousseff

Roberto Romano, Maria Aparecida D’Aquino e Carlos Melo debatem as implicações dos protestos do dia 13 de março

O ato transcorreu sem grandes incidentes. Houve vaias aos moradores de um apartamento na avenida Atlântica que estenderam na janela uma bandeira vermelha e um princípio de tumulto com um homem e duas mulheres, que, sob xingamentos, foram retirados do ato pela Polícia Militar. Políticos dos partidos da base aliada foram vaiados quando mencionados nos discursos, como governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes, ambos do PMDB.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX