Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Renan rebate FHC e defende que Congresso deve validar afastamento de parlamentares

Sem mencionar afastamento de Aécio, senador falou em 'zelar pela Constituição e pela separação dos Poderes'

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2017 | 20h22

BRASÍLIA - O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) rebateu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e defendeu, em vídeo publicado nesta sexta-feira, 29, que o Legislativo valide decisões sobre afastamento de parlamentares do mandato. Sem citar o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG), FHC disse nesta quinta-feira, 298, que o Supremo Tribunal Federal (STF) é o guardião da Constituição e tem a "decisão final".

Renan, por outro lado, elogiou a decisão da presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, de marcar para 11 de outubro julgamento de ação sobre afastamento de deputados e senadores. "Ora, se o mandato é intangível e há, na lei maior, uma regra de ouro que diz que só a casa legislativa dele (do parlamentar) pode dispor, paciência. Não se trata de saber de quem é a palavra final, como insinua Fernando Henrique Cardoso. Não é isso. Trata-se de zelar pela Constituição e pela separação dos Poderes", afirmou Renan, sem mencionar o afastamento de Aécio, decidido nesta semana pelo STF.

Em evento nos Estados Unidos nessa quinta-feira, 28, FHC disse que o Supremo "decide e é isso". A declaração do ex-presidente foi dada pouco antes de o Senado aprovar regime de urgência para deliberar sobre a decisão da Corte de afastar Aécio do mandato e ordenar recolhimento noturno do senador mineiro.

No vídeo, Renan disse que a presidente do STF "cresce nas crises". Mas criticou outros ministros do Supremo, sem citar nomes. "Como constituinte, nunca imaginei estar vivo para ver constitucionalistas conhecidos, ministros do Supremo - graças a Deus uma minoria - dizerem que se pode colocar o Código de Processo Penal acima da Constituição, que consagra valores republicanos", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.