Renan faz corpo a corpo para arquivar processo no Conselho

Conselho de Ética decidirá futuro do presidente do Senado nesta quarta-feira

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h55

Determinado a arquivar nesta quarta-feira, 20, o processo por falta de decoro parlamentar no Conselho de Ética, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), intensificou o corpo a corpo para atrair os votos de senadores considerados indecisos. A sessão no Conselho, que começou pouco depois das 17 horas, decidirá o futuro do presidente do Senado. Os principais alvos de Renan são os senadores do partido Democratas (DEM),já que a bancada não fechou questão contra o presidente do Senado. O senador Augusto Botelho (PT-RR) também foi assediado por Renan e os dois conversaram reservadamente no plenário. Botelho estava disposto a votar pela continuidade das investigações, a exemplo dos senadores Renato Casagrande (PSB-ES) e Eduardo Suplicy (PT-SP), que integram a base governista e votam no Conselho de Ética. O líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), não quis antecipar seu prognóstico e, juntamente com outros aliados de Renan, entrou em campo para garantir a maioria de votos em favor de Renan Calheiros no Conselho. O senador Adelmir Santana (DEM-DF), que estaria indeciso, disse há pouco aos jornalistas que vai votar em favor da continuidade das investigações, atendendo à orientação de seu partido. A expectativa de Renan é de que os senadores do DEM votem abstenção desequilibrando o quadro e dando margem à sua vitória. Além de Adelmir Santana, integram o Conselho de Ética os senadores Demóstenes Torres (DEM-GO) e Heráclito Fortes( DEM-PI). A investida de Renan era conquistar o apoio de Heráclito. Na conversa com senadores do PSDB, que decidiram votar contra o arquivamento do processo, Renan Calheiros deixou claro sua intenção de encerrar ainda nesta quarta-feira o processo no Conselho de Ética.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.