1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Renan espera isenção do STF sobre CPI da Petrobras

DÉBORA ÁLVARES - Agência Estado

15 Abril 2014 | 11h 52

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse no final da manhã desta terça-feira, 15, esperar que a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber não interfira no processo legislativo ao decidir sobre a instalação da CPI da Petrobrás.

"O Supremo decidiu no passado que não pode interferir no processo legislativo. Pelo menos não com essa pressa de conceder liminar e interferir no Congresso", afirmou o senador ao ser questionado sobre suas expectativas quanto à decisão do STF, que deve definir o futuro das investigações até a próxima semana.

"A investigação é um direito da minoria, mas o processo legislativo é conduzido pela maioria, que não costuma abrir mão dessas coisas", completou. Renan defendeu mais uma vez a ampliação do objeto de investigação da CPI e disse que enviará, ainda hoje, adendos às informações que prestou ao Supremo sobre sua decisão.

Renan se reuniu há pouco com a presidente da Petrobras, Graça Foster, e, como gesto de apoio, a acompanhou até a entrada da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Nesse momento, a chefe da estatal presta esclarecimentos em audiência pública conjunta com a Comissão de Fiscalização da Casa sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA).

O depoimento é mais um capítulo da crise política que se instalou após o Estado revelar que a presidente Dilma Rousseff votou a favor da compra da refinaria. Na época, Dilma era ministra da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobras. A presidente alegou ter se valido de um resumo que ela própria classificou como falho para avalizar a operação que pode ter gerado prejuízos bilionários à estatal.

STF

A ministra Rosa Weber tem em mãos dois mandados de segurança que tratam das investigações sobre a estatal. O primeiro, apresentado pela oposição, pede a instalação de uma CPI exclusivamente para investigar a Petrobras. O segunda, por petistas, pede ao Supremo que reconheça desconexão entre os objetos de investigação propostos e, portanto, declare a comissão de inquérito inconstitucional.

Logo mais, oposicionistas devem se encontrar com a ministra para defender seu ponto de vista sobre a necessidade de se iniciarem as investigações.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo