1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Relator recua sobre anexar delação

- Atualizado: 22 Março 2016 | 07h 37

Pressão de governistas, que ameaçam levar a questão ao Supremo Tribunal Federal, teria motivado decisão de Jovair Arantes (PTB-GO)

 
 

Horas depois de dizer que acataria a inclusão da delação do ex-líder do governo no Senado Delcídio Amaral (sem partido-MS) no pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o relator do processo, deputado Jovair Arantes, (PTB-GO) recuou e disse que a decisão ainda seria tomada pela comissão que avalia a admissibilidade do caso. O recuo ocorreu após pressão dos governistas que ameaçam judicializar a questão no Supremo Tribunal Federal.

Diante da perspectiva de judicialização, a oposição cogita abrir mão do aditamento para apresentar um novo pedido de impeachment. A decisão será tomada em reunião de líderes oposicionistas na manhã de hoje.

À tarde, Jovair disse que aceitaria as denúncias de Delcídio. “Essas denuncias farão parte, evidentemente, do nosso estudo para que a gente possa formular um relatório dentro, exatamente, do que estou colocando”, afirmou o relator, aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

À noite, após questionamentos da base do governo, o deputado mudou de discurso. “Hora nenhuma eu falei sobre o relatório ou sobre a possibilidade de acatar ou de retirar qualquer procedimento que já tem no processo. O que aconteceu foi um aditamento que ainda não chegou às nossas mãos”, afirmou Jovair. “Com relação ao aditamento, isso vai ser decidido pela comissão e pelo plenário da Casa”, disse o relator.

O discurso de Jovair também contraria o de Cunha, que procurou ressaltar que a inclusão da delação premiada não é um aditamento, mas apenas a anexação de documentos. “Não teve aditamento, foi uma juntada de documentos. Deputados do PT estão manobrando na comissão para ganhar tempo”, declarou o peemedebista, conhecido por adotar medidas protelatórias no processo que tramita contra ele no Conselho de Ética.

Governistas protestaram contra o aditamento desde antes da abertura da sessão. “É improcedente. Delação é objeto de abertura de investigação. Havendo necessidade, vamos ao Supremo”, reagiu o líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), para quem “a oposição está se especializando em golpe”. A questão dominou toda sessão de ontem. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), vice-líder do governo, salientou que o pedido de impeachment acolhido por Cunha, em dezembro, tratava apenas de “crime de responsabilidade”. “É sobre isso e somente sobre isso que a presidente deve se manifestar e apenas sobre isso que a comissão deve se debruçar”, afirmou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX