1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Relação com doleiro pode tirar André Vargas da campanha de Gleisi no PR

Deputado, licenciado do cargo, era considerado principal nome para coordenar disputa da senadora ao governo paranaense

Brasília - Considerado um dos principais coordenadores da campanha da ex-ministra Gleisi Hoffman ao governo do Paraná, o deputado licenciado André Vargas (PT-PR) deve ser afastado das ações do partido no Estado. O deputado vive atualmente pressão da própria cúpula do PT para renunciar ao mandato, após a divulgação de sua ligação com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato da Polícia Federal.

Na tarde desta quarta-feira, 9, o Conselho de Ética da Câmara deve instaurar um processo disciplinar contra o deputado licenciado. O pedido de abertura de um processo por quebra de decoro parlamentar foi feito pelos partidos PSDB, DEM e PPS na última segunda-feira após novas revelações sugerirem uma sociedade entre o parlamentar e o doleiro Alberto Youssef. O processo tem previsão de durar 90 dias úteis no Conselho e pode levar à cassação do parlamentar.

Até a divulgação das conversas entre Vargas e o doleiro, reveladas pela revista Veja, o deputado estava entre os coordenadores de campanha de Gleisi ao governo e atuava como um dos principais negociadores de possíveis alianças com outros partidos no Estado. Na linha de frente da pré-campanha está também o presidente estadual da legenda, Enio Verri. Segundo o dirigente, uma reunião na próxima semana deve ser realizada para discutir como ficará a situação do deputado.

"Não sei se vai permanecer ou não na coordenação. Acredito que neste momento ele deve priorizar a defesa dele, o que acho natural. Consequentemente não terá tempo para ajudar na coordenação, essa é minha opinião", afirmou Verri ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado. "O cenário muda, lógico, embora a posição do André é de não renunciar e fazer o debate com a sociedade sobre as acusações que está recebendo. Mas é cedo para dizer o que vai acontecer, a expectativa nossa é passar a Semana Santa, sentar e ver para onde nós vamos", acrescentou.

Apesar de uma série de eventos de pré-campanha realizados nos últimos meses no Estado com a presença de André Vargas, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirma que não há uma coordenação de campanha. "A Gleisi não tem campanha. É só a partir de junho, portanto, não tem coordenação de campanha", minimizou o ministro. "Como vai ficar a situação do partido, do André, vamos ver ainda, não sei", acrescentou.