Para Haddad, ‘reforma é imprescindível e tem que espelhar base de apoio do governo’

Prefeito dá apoio a escolhas de Dilma para reformular ministério: 'Ninguém pode desautorizar o chefe do Executivo'

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 14h55

No momento em que ocorria o anúncio da reforma ministerial pela presidente Dilma Rousseff (PT), em Brasília, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), defendeu a medida durante agenda pública na manhã desta sexta-feira, 2. Na visão do prefeito, a reforma não apenas é necessária, como “imprescindível”.

O corte de oito pastas anunciado nesta sexta teve como objetivo, segundo Dilma, ampliar a base do governo no Congresso Nacional e garantir “sustentação política”. Da cota do PMDB na Câmara, os deputados Marcelo Castro e Celso Pansera foram confirmados, respectivamente, na Saúde e na Ciência e Tecnologia. Ao todo, o partido passou de seis para sete ministérios e aumentou sua representatividade, dado que a Esplanada agora tem 31 pastas, e não mais 39.

“A reforma é necessária. E diria mais: a reforma é imprescindível. A reforma tem que espelhar a base de apoio do governo. Não faz sentido um ministro lutando contra a orientação da presidente. Tem que ter uma conciliação dentro do governo. Ninguém pode desautorizar o chefe do Executivo. Tem que ter um time que execute suas determinações”, afirmou Haddad.

Questionado sobre o nome de Marcelo Castro (PMDB) para a pasta da Saúde, Haddad evitou comentar a escolha, mas apoiou Dilma. “A presidenta tem suas razões. Está compondo a sua equipe e ela é a chefe do Executivo. Quem nomeia ou demite é o chefe do Executivo”.  Em seguida, o prefeito disse que não quer “prejulgar ninguém”.

Sobre Aloizio Mercadante, que sai da Casa Civil e retorna para o Ministério da Educação, Haddad disse que "a presidenta deve julgar como bom o desempenho dele" na gestão da pasta. "É uma pessoa que não está chegando agora no ministério. Na Casa Civil, nunca perdeu contato com a pasta. Quero crer que não tenha solução de continuidade", afirmou o prefeito, cujo sucessor no MEC foi justamente Mercadante.

Alterações. Jaques Wagner vai para a Casa Civil, no lugar de Mercadante. Para o Ministério da Defesa, será Aldo Rebelo. O ministro Helder Barbalho deixou a Pesca para a Secretaria dos Portos. A Secretaria de Governo será dirigida por Ricardo Berzoini, que até então comandava o Ministério das Comunicações que passará para as mãos de André Figueiredo.

Trabalho e Previdência, unidas em uma só pasta, ficarão com Miguel Rossetto. Já o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos - também unificado - será de Nilma Lima.

Entre os anúncios, estão a redução nos salários de todos os ministros em 10% e o corte de 3 mil cargos comissionados. Os vencimentos da presidente e do vice Michel Temer também cairão em 10%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.