Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Rede confirma Marina Silva como vice de Campos

Política

Rede confirma Marina Silva como vice de Campos

Rede confirma Marina Silva como vice de Campos

Decisão foi tomada no primeiro congresso do partido que a ex-Senadora tenta criar

0

NIVALDO SOUZA ,
Agência Estado

17 Maio 2014 | 17h33

A ex-senadora Marina Silva foi confirmada pela Rede Sustentabilidade, neste sábado, como candidata a vice na chapa do ex-governador pernambucano Eduardo Campos (PSB) na disputa pela Presidência da República. A decisão foi tomada pelos delegados estaduais da Rede, em Brasília, durante o primeiro congresso do partido que Marina tenta criar. A legenda bateu o martelo, assim, aprovando a coligação PSB-Rede-PPS-PPL. Marina afirmou em discurso para os delegados reunidos no 1º Congresso da Rede Sustentabilidade que a legenda não colocou o posto de vice como condição para apoiar Campos. "Quem colocou a possibilidade de ser vice foi o PSB. E eu dizia que quem ia escolher o vice é o candidato", disse.

A pré-candidata a vice disse que procurou José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) para discutir propostas para o programa deles no segundo turno, mas se frustrou com a falta de compromisso. "Eles queriam ter uma garota propagada para dizerem que fariam o que eles não fariam", lembrou.

Apesar do apoio ao PSB, Marina observou que o rumo da Rede seria diferente nas eleições de outubro se a legenda tivesse sido autorizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Se tivéssemos o registro na Rede nesse momento estaríamos com uma outra agenda, criando o partido, montando diretórios, tendo candidato a presidente da República", pontuou.

Mesmo sem a legenda, ela contou aos delegados reunidos no congresso que a Rede já se acertou com o PSB sobre candidaturas estaduais em 15 Estados. O partido terá um nome na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, segundo Marina. "Em 15 Estados estamos caminhando juntos (com o PSB). Ainda tem MG, onde estamos lutando para ter candidaturas próprias. Em São Paulo estamos caminhando para ver quem vai ser (o candidato), mas teremos candidatura própria", afirmou.

Segundo ela, o partido terá três coordenadorias no comitê de campanha de Campos. "A única que reivindicamos era ser titulares da coordenação de programa. Essa é alma do negócio", disse, ressaltando que a adesão ao PSB foi "programática".

Marina antecipou que a estratégia de campanha será trabalhar junto com Campos a ideia de fortalecimento da "instituição Presidência da República". "Vamos trabalhar com essa ideia de trabalhar o presidente e a vice. A instituição Presidência da República é o presidente e o vice", avaliou.

Ela considerou que a vice-Presidência precisa ser fortalecida na tomada de decisões do governo e receber da Presidência a "prioridade no orçamento" para executar projetos. A ex-senadora disse ainda que a aliança com o PSB será para compartilhar um "legado" no comando da Presidência. "É a primeira vez na história desse país que a gente está fazendo uma aliança que não é para compartilhar o palanque, é para compartilhar o legado", afirmou.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.